sexta-feira, 3 de maio de 2013

E no dia seguinte

Hoje pela manhã recebi uma mensagem do meu loiro (mano da alma) com esta mensagem:
"Ó cum caralho, que tu insultas as classes todas ligadas a mim, ele é call centers, ele é banca, agora são os italianos."
E posto isto fiquei a pensar:
1º que a classe (ou classes se formos picuinhas) merecem os insultos amoros que eu lhe dedico de quando em vez. 
2º que por outro lado posso aqui atestar que até de vez em quando tendem a ter os seus pontos altos, não todos, mas prometo que quando e se tiverem coloco por escrito esse milagre da natureza. Quanto as outras:

  • Temos o caso da banca (mais nomeadamente os bancários), continuo a achar que devem pouco a inteligência, o bom gosto passa-lhes definitivamente ao lado mas por outro lado posso dizer que um dia destes fui ao balcão tratar de um assunto e o senhor que se encontrava do outro lado não só o tratou com carinho como ainda me deu um folheto cheio de borboletas com a frase:

          "Vá é para si que me parece triste hoje e assim as borboletas alegram-lhe o dia!"
            Foi bonito digam lá se não foi!

  • Quanto aos fornecedores (não os italianos) mas o português que levou comigo (salvo seja) ontem ligou hoje, com desculpas prontas e tentativas de solucionar o erro cometido. Gostei confesso pois não ligou com tentativas de... mas já com a solução apresentada. Pode ser que tenhamos profissionais no campo! Ou não! 
Em relação aos italianos sinceramente pouco tenho de abonatório a dizer a não ser a língua que me deixa derretida e a suspirar pelos campos. E não! Não é por esse motivo que estão a pensar mas porque a fonética é simplesmente deliciosa.
Senão digam lá comigo:
Ciao ragazza come questa? Stai molto bene oggi. Come si può aiutare.
É de uma miúda se derreter ou não?
Ai as saudades que eu tenho de Itália.
Namasté!

20 comentários:

Doce Anaiis disse...

Tem juizo e desce do "altar" de falsos idealismos.
Sou filha de bancários e senti-me ofendida com a tua designação para os bancários.
Eu também posso dizer que todas as vendedoras de lojas de vestuário são ocas de cabeça e que têm a mania que são importantes. Claro que não passam de umas desgraçadas que não conseguiram ser nem bancárias ou de outra profissão (e, sim, é esta a realidade).
Mania de acharem melhores e depois ainda têm o descaramento de colocar "Namesté".
Haja pachorra para tanta ignorância.

Utena disse...

Doce Anaiis,

Ponderei se tão simpático comentário teu deveria ser ou não aprovado, mas penso que todos têm direito a uma opinião mesmo quando a pessoa em questão é do teu calibre.
Sim eu conheço os teus gostos e a tua forma de ver a vida, se concordam contigo óptimo senão bem digamos que o teu lado mais simpático será denegrir os outros.
Mas vamos por partes ponto um eu não me acho melhor que ninguém tenho a minha opinião e escrevo-a num espaço que é meu e que apenas lê quem quer ou então quem é tão cusco que não perde a hipótese de ver o que eu ando a escrever.
És filha de bancários? Olha que bom para ti, sentiste-te ofendida então é porque a carapuça foi feita na perfeição.
A minha opinião em relação a essa classe mantém-se são pessoas que se regem pela cartilha dos lucros fáceis e do pensar que somos nós que lhe fazemos o favor de colocar lá o que é nosso regido por eles a seu belo prazer!
Quanto as vendedoras de lojas? Sinceramente? Concordo com a tua opinião em relação a algumas mas ao contrário de ti não globalizo.
Mas compreendo que o facto de te sentires ofendida te tenha levado a trazer ao de cima o que realmente és!
Nada que uma das tuas sessões não atenue certo?
Já agora?
É namasté e não nemesté já que falas em ignorância informa-te o mundo real não esta apenas restringido ás ordens de mestres!
Se entendes o que quero dizer!
Mais uma coisa a tua visita não é bem vinda aqui pelo que agradeço que a direcciones para os bloggers que te passem a mão pela cabeça.

dom disse...

Qualquer bancário é corrupto e ladrão ... e agora Annais ou Anáis ?? queres vir ter comigo e discutir isso na cara ??? FODA-SE depois do que se passa que o governo anda a sustentar a vossa corja de chulos e corruptos vens aqui falar? Sabes o é o capitalismo bancário ou só falas porque és menina dos coitadinhos??
AI SALAZAR anda cá que fazes falta a esta corja !
Annais ou Anáis ... para si quatro letras: GFYS !

Utena disse...

Dom,

Outro dos comentários que ponderei aceitar!
Todos temos direito a opinião e acredito que os pais da "doce" Anaiis terão sido correctos.
Mas concordo com o que dizes a 100% como sabes e sim faz falta um Salazar sem dúvida que sim!

dom disse...

A questão aqui Utena, é apenas virgem ofendida, acredito que os pais da Amarga Anaiis (sim porque de doce nada tem) possam ter sido bons bancários (afinal a excepção confirma a regra) ... mas sentir-se ofendida por isso ... já diz o ditado, quem não quer ser ladrão que não lhe vista a pele ou neste caso, se não era nada directamente aos papás porque raio teve um comentário tão "NON SENSE" ... e se se sente injustiçada pelos papás que se calhar recebem uma reforma o triplo do ordenado minimo, que dirá o povo que tem uma misério e vem aqueles CHUPISTAS dos reformados bancários indignados que ganham 30000euros por mes de reforma?? ISSO não é gozar? Oh menina Anaiis até lhe fica mal vir defender essa corja ... que os seus paizinhos foram bonzinhos até posso aceitar, mas que na globalidade ESSA CORJA o seja ... NÃO !

Utena disse...

Dom,

A verdade é mesmo essa talvez eu tenho agido mal ao chamar bancários na globalidade, embora mantenha a minha opinião porque já o sofri na pele e o vejo todos os dias.
De qualquer forma penso que o assunto pode ficar por aqui.
A Anaiis não é, como ela bem sabe, bem-vinda por alguns motivos extra blog tem a sua opinião eu mantenho a minha e caso encerrado!

JP disse...

Tu e as línguas...:))

E outra vez o italiano! Olha que a língua portuguesa também tem os seus predicados, sujeitos e complementos:))

Beijinho

Utena disse...

JP,

Eu e as línguas as más e as boas e de vez em quando as bilingues.
E sim o português é delicioso principalmente quando nos cantam ao ouvido:
"Agarra-te a mim esta noite dá-me tudo o que eu perdi" :)

Beijos

Eolo disse...

E quem pondera comentar, conta?

Acho piada a quem lê blog de autores que (aparentemente) não suporta, dão-se ao trabalho de os seguir e ler para provavelmente sentirem-se bem consigo mesmo, questões de auto-estima, ego-exacerbado, pouco que fazer, não percam o próximo episódio porque nós também não.

Epá não digam que faltava cá o Salazar, morre um gatinho cada vez que um português diz isso, especialmente se tiver nascidos depois de 1974, se nasceu antes morre uma ninhada. FYI, se estivéssemos sob o jugo do Salazar nenhum de nós não tinha direito a ter blog.

Utena, acho a generalização perigosa, já sabes, já to disse mas também sei que é o mote deste blogue que, quer gostem quer não gostem é teu.

Intanto, nel soggetto del italiano siamo d'accordo, mi piace tantissimo e posso dire che lo ascolto frequentemente. Un bacione.

Observador disse...

Querida Utena
Apenas acho que em vez de "bancários" deverias ter usado o termo "banqueiros". Esses sim, uns 'fdp' do pior.

Os bancários serão trabalhadores com uma hierarquia e que obedecem a regras muito severas, patéticas até. O que não significa que sejam todos bons profissionais. Que não são e eu sei do que falo.

Se 'virarmos a antena' para os BANQUEIROS, esses parasitas da sociedade, então si encontramos diversos adjectivos que lhes assentam que nem uma luva.

A reacção da 'Doce Anaiis' é perfeitamente inadmissível. E, das duas uma, ou confundiu bancários com banqueiros ou optou por ser inqualificável ao responder o que respondeu e como.
De qualquer forma, o que ela diz mereceria, não o 'lápis azul' mas um outro tipo de coisa.

Não vale a pena perder tempo e, por isso, fico admirado comigo quando me refiro à tal doce não sei quê.
Perdi tempo, mas disse o que sentia. O habitual em mim.

Utena Maria, tem um bom fim de semana e aceita o meu beijo.
;)

Luísa Lopes disse...

O que vai pr'aqui... Credo, não alimentemos as feras (mansas)

Utena disse...

Eolo,

Já me conheces de outras eras, sabes que mesmo sendo louca e muito pouco ponderada em certas opiniões a globalização não é comigo!
Mas a verdade é mesmo essa quando não gosto de um certo blogger não o sigo não perco tempo a ler.
E non avete idea di quanto sei fortunato a sentire questa lingua tutti i giorni, mi ritrovo che invidia!
Baciarti

Utena disse...

Observador,

Profissionais somos todos, ao contrário do que a doce pensa eu não sou "vendedora de roupa" porque não consegui tirar outro curso e mesmo estando sujeita a códigos quando o exercia conseguia sempre ser ponderada nas respostas e na tentativa de ajudar quem me procurava.

Beijos e bom fim-de-semana

Utena disse...

Luísa,

As vezes instala-se a polémica por aqui e ainda bem sempre faz correr a adrenalina!
Ou não!

Beijo

Anónimo disse...

Valha-me a santa da agrela loool
Quem te conhece e interessa sabe como és, uma pessoa com inteligência acima da média, uma excelente profissional, das melhores em tudo o que faz... não sei se é o caso da autora de um dos comentários aqui feitos.. enfim, é dar a importância que merece: nenhuma! :)
E continua assim mesmo mulher, sem papas na língua :)
adoro-te.
beijinhos,
OlgaM

Utena disse...

Olga,

A vida ensinou-me que muitas vezes estamos da mó de cima como outras na de baixo!
Não somos nem melhor nem mais que ninguém mas tenho opinião, defendo-a e não sou maria vai com as outras!
Sou apenas eu!

Love u
Beijos

Luísa Lopes disse...

Ahahaha, espera...estou com o Eolo. Não se me extigam os gatinhos por favor, esses felinos deliciosos, sim, que como bruxa faz-me sempre falta um.
Nem em defesa dos bancários ou contra eles ou seja lá de quem for :)

Utena disse...

Luísa,

Independentemente das opiniões de cada um para mim Salazar teve coisas muito más e outras muito boas.
É apenas a minha opinião!
Se deveria voltar? Nesta altura não faria sentido mas que este país precisa de uma mão de aço isso precisa

Luísa Lopes disse...

Foi importante até se tornar num déspota e ditador. Que isto de ter os cofres cheios e o povo a passar fome, tem que se lhe diga. Guardo bem vivas todas as memórias dos meus pais e avós e acredita que não quero esquecer. Apesar de pertencermos a gerações que não fazem a mais pequena ideia do que era viver sufocado em várias áreas. Que Portugal se converteu na república das bananas e do facilitismo, concordo plenamente. Toda a gente tem direitos e ninguém tem deveres. Mas pronto hei-de morrer sonhadora, afogada nas minhas utopias.

Utena disse...

Luísa,

Nesse campo iremos morrer as duas, porque mantenho a fé no meu país!

Beijo