segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Strange World

Sou uma crítica por natureza, adoro uma boa e saudável discussão, onde a troca de ideias e de opiniões mesmo de uma forma acesa pode ser reconfortante e saudável.
Gosto da crítica construtiva, de onde advêm sempre uma solução ou o inicio de uma solução... viável ou não, não é importante, para mim o que faz sentido é trocar ideias.
Como amante de leitura que sou, sou capaz de passar horas com um livro na mão a devorar cada palavra e a imaginar cada cenário, gosto de pequenos gestos e acho-os importantes... aliás importantíssimos.
Por isso quando levanto o nariz de um livro que me esteja absorver no momento e desligo a mente dele, na altura em que espreguiço os neurónios e desperto para o mundo real, aproveito para observar o que se passa a minha volta.
E a verdade é que se perdeu o interesse nos pequenos momentos, pelos instantes que arrepiam e nos fazem sorrir.
Vivemos uma época de cinismo, de falsos moralistas, de hipócritas que se escondem atrás das intempéries da época para disfarçar o que já não são capazes de sentir.
Com ou sem crise que é ultimamente a desculpa para tudo, a verdade é que o tempo em que vivemos esta frio e não é apenas por estarmos com o Inverno à porta, mas porque os momentos que contam deixaram de ser os que valem a pena.
Sei que posso parecer contraditória com o que escrevo num post e contraponho no outro, mas se pensarem bem não sou.
Gosto é verdade de tudo o que é intenso, sem duvida mas acredito que um beijo, um abraço um sorriso consegue muitas vezes, ser mais intenso e mais verdadeiro que o sexo, sim é a palavra que se usa mais hoje em dia certo? Deixamos de dizer fazer amor ou o amor como um certo humorista gosta de referir, e quem diz isso, diz o cumprimentar alguém na rua, o abrir a porta para dar passagem, ou mesmo o cumprimentar um estranho com um sonoro bom dia e um sorriso rasgado.
O meu domingo passado foi assim, de flashes, de ligar e desligar para os momentos que valem a pena, foi um misto de relaxe e stress onde se passei o dia abraçada a alguém de quem gosto bastante, discuti à noite com alguém que faz parte de mim e do que sou.
E terminei o domingo a ver um filme que resume em muito aquilo que sinto hoje e transcrevo para aqui... Nunca é tarde de mais..... É verdade... Nunca é!
Nunca é tarde para se realizar sonhos, para se ver a vida como ela é, dura, mas não impessoal, fria mas não solitária, desesperante mas com apoios em pequenos degraus...
Porque viver a vida é como dizia o grande Fernando Pessoa:


Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,
Mas não esqueço de que minha vida
É a maior empresa do mundo…
E que posso evitar que ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver
Apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e
Se tornar um autor da própria história…
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar
Um oásis no recôndito da sua alma…
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um “Não”!!!
É ter segurança para receber uma crítica,
Mesmo que injusta…

Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo…

4 comentários:

Isabell Culen disse...

Uau!
Parabéns pelo texto.

Utena disse...

Pronto e fica uma pessoa vermelha com este comentário.
Obrigada linda
beijo

Mega disse...

Miuda gira tu és intensa e consegues transmitir isso para as palavras que escreves.
E pegando em bocadinhos do que escrevestes, que gostei como sempre muito de ler, vou fazer uns pequenos complementos como tu sabes que eu gosto de fazer.
"Gosto é verdade de tudo o que é intenso, sem duvida mas acredito que um beijo, um abraço um sorriso consegue muitas vezes, ser mais intenso e mais verdadeiro que o sexo"
A expressão do gostar (e não digo amar pois para mim essa palavra tem que ser usada com parcimónia) tem muitas maneiras de aparecer temos que ver como é que está a ser expresso e em que momento o sexo pode ser amor e o amor pode não precisar de sexo.
Sexo ou é objectivo ou é consequencia e para mim o bom bom é o da consequencia.
E remato com um concordar.
Nunca é tarde para seguirmos o caminho que desejamos e que nos faz bem
Beijos

Utena disse...

Olá minha luz.
Concordo contigo e concordo que sexo puro e duro apenas pelo prazer também é bom mas a verdade é que os pequenos momentos tão intensos tão especiais deixam muitas vezes de ser sentidos.
Um abraço daqueles que conheces...
Beijinho