terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Memorias a preservar


Nos meus 33 anos de vida (feitos fresquinhos ainda este mês), aprendi que na vida as memórias são valiosas… Não interessam se são boas ou más, são recordações daquilo que somos, do que éramos e do que porventura poderemos vir a ser (esta foi profunda).
Hoje foi um dia de aprofundar memórias, criar registos no meu subconsciente, foi dia de estar com o meu avô, de o ver, de olhar os seus olhos até decorar a cor meio violeta que eles ficam quando está emocionado, de o ouvir falar até o som da voz ficar gravado na minha alma…
O meu avô, é um homem duro, vivido, sofrido… de uma inteligência acutilante… Não me lembro de ele me ter feito um mimo, a não ser quando já vinha um pouco alegre do café depois de jogar uma sueca, uns dados ou uma malha… O que ele gostava de jogar a malha… até dizia que queria ser enterrado com o jogo… a doença tirou-lhe mais essa alegria!
Mas mesmo não sendo propriamente terno é o meu melhor amigo… o meu mais fiel confidente, com quem falo do mais problemático da minha vida ao mais banal… com quem choro de tristeza pela sua solidão tão densa que até dificulta a respirar, com quem rio do mais pequeno disparate que passa a qualquer pessoa menos a nós os dois.
Aprendi a conhecer chás com ele e a que fazem bem… mezinhas que ninguém liga mas que ajuda tanto em certas alturas… Aprendi no fundo a ser quem sou! Gostem ou não!
Ensinou-me a ser fiel a mim mesma, a nunca baixar os braços, a não permitir que me fizessem sentir mais fraca… as palavras dele florescem tantas vezes a minha memória “se não for com as mãos é com os pés, com a cabeça, com os dentes ou com uma pedra. Mas és minha neta e não te ficas!”
E não me fico, não o fiz na altura, não o faço agora… Mesmo quando a vida se torna tão dura que cada passo é um tormento… porque sou neta dele… Desse homem magnifico que me ensinou a andar pelos meus próprios pés e a ter orgulho do caminho que traço.
A ser Mulher… com M grande e a não ter vergonha disso.
Obrigada!


8 comentários:

Mega disse...

As memórias são algo de fundamental.
Para a nossa vida, para o nosso bem estar para o nosso conhecimento.
Já conheço à algum tempo a tua relação com o teu avô.
E de uma certa forma faz-me lembrar a que eu tambem tinha com o meu.
Por isso só te posso dizer uma coisa aproveita ao máximo enquianto ela existe, que foi o que eu fiz e só me arrependo de não ter sido ainda mais intensa no tempo em que durou e que ainda foi muito.
Beijos carinhosos

Utena disse...

Nós somos pessoas de memórias... damos valor a elas e aquecem-nos.
Beijos quentinhos

TILIDA5EVER disse...

Sorteio lá no meu blogue!
Participa...

Utena disse...

Feito Tilida

M. disse...

De memória somos feitos. Sem dúvidas. Consciente ou inconscientemente o nosso presente, assim como o nosso futuro, deriva e emana das nossas memórias.

Pena só valorizarmos certas coisas, pessoas, palavras, depois de terem partido ou se terem partido...

É um erro recorrente...depois ouvimos as declarações solenes: "só queria mais um minuto com..." pois...

Importante não esquecer as nossas memórias...

Fizeste-me pensar...e isso é bom!

m:)

Utena disse...

M. a nossa vida é mesmo isso um encher de memórias.
Já começas a fazer parte das minhas.
:)

M. disse...

Pronto...já sou passado...:)

Utena disse...

Não és um memória presente