terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Olhos de Aventurina

(Este é ele o meu pequeno traquina)
Hoje faz anos o mais velho dos meus patudos.
Parece ontem que o comprei, para oferecer a minha mãe e já faz 14 anos... Céus o tempo passa assustadoramente depressa.
Hoje tal como tem vindo a ser habito desde de que acampei na sala, tive um acordar “molhado” a pala do nariz e língua dos meus pequenos companheiros.
Engraçado como eles percebem que os dias podem ter significados especiais… e depois de ter abraçado cada um individualmente peguei no Chorão (o meu mais velho) e sussurrei-lhe ao ouvido: “Parabéns meu amor!”
Penso que como tudo na vida que de bom ou mau nos acontece deve ficar gravado vou contar aqui a minha história de vida, com um patudo com os olhos cor de Aventurina que trouxe alegria e tantas gargalhadas ao longo do tempo em que criamos companheirismo e cumplicidade.
“Estávamos no ano de 1997, Julho mês de calor, tínhamos ido até a minha terra natal, o Porto, fazer uma visita ao meu avô… quando resolvemos dar um passeio até a Baixa da cidade, passear numa pequena feira exclusiva para vendas de animais e seus acessórios, que como tudo que é tradicional, já acabou, dar uma vista de olhos pelos pássaros e basicamente matar o tempo…
Na altura não acreditava em amor à primeira vista até ter presenciado a troca de olhares entre a minha mãe e aquele que se viria a tornar um companheiro de aventuras… era um pequeno pedaço de ser… um dos filhotes de uma ninhada de caniches toda castanha, com a excepção dele que nasceu completamente preto… Estava ao colo da dona… todo ele olhos castanhos brilhantes, olhando para quem passava com uma atenção tão inteligente que nos deixou intrigadas.
É daqueles momentos únicos e especiais que acontecem raramente na vida e que requerem presença de espírito… ora sendo o mês de aniversário da minha mãe e vendo eu que o pequeno lhe tinha ficado cravado tal qual espinho de uma rosa no coração perguntei:
Queres que te ofereça? Fica como prenda de anos antecipada… Ela olhou para mim tal qual criança na montra de uma loja de doces e a minha decisão foi tomada naquele instante… voltamos atrás e compramos o pequeno as donas.
Logo ai começou uma epopeia… era o preferido da ninhada… desencadeou um ataque de choro a dona mais nova que me fez doer o coração… dissemos que se ela ficava assim não o levávamos mas a mãe disse que tinha mesmo de ser! O nome é uma homenagem a esse momento de ternura e despedida.
A partir desse momento passou a seguir-nos para todo o lado… dentro do bolso da gabardine, ao interior da carteira (era uma coisinha mínima e peluda) …
Entrou no hotel para dormir sem ninguém dar por ele, foi convidado pelo chefe de sala do restaurante de Bom Jesus em Braga para entrar e comer connosco no restaurante… sempre foi um autêntico cavalheiro…
Acompanhava-nos para todo o lado, fosse dia, noite ou madrugada….
Andava sempre tão colado a nós que o primeiro banho do traquina foi dentro de um balde de lixívia, um autêntico entra e sai seguido de um Ai Meu Deus a um Tu és Maluco? Um dos muitos sustos que nos deu.
Na sua juventude era um autêntico coelho… de rápido e saltitão que era… atravessou-me a estrada a correr por entre carros duas vezes… parou-me o coração em cada uma delas…
Foi mordido por um cão maior que ele porque como todo o ser pequeno não se deixa intimidar pelos maiores… esteve entre a vida e a morte… por duas vezes onde esta foi uma delas… Nesta trouxe-o de volta o médico… na outra trouxe eu com respiração boca-a-boca e massagem cardíaca… Foi um apoio e um suporte quando quem esteve as portas da morte foi a minha mãe… não uivou… não chorou… apenas se deitou no cimo da cabeça da dona enquanto observava os esforços contínuos meus e do meu pai para a trazer de volta!
Foi e é um pai maravilhoso… um ser de luz atencioso que me dá alegria sempre que me vem pedir mimo ou me vem dar a mim.
Agora nesta fase da vida em que as forças lhe falham, e que as crises se acentuam… com problemas de mobilidade… onde por tês vezes já perdeu o andar mas que recuperou graças a cuidados de quem o ama acima de tudo… continua com o seu olhar castanho aventurina e o seu gingar malandro e atrevido.
Pode parecer complicado para quem a amizade ou o reconhecimento com animais não se deu… esta ligação que criamos mas para mim não… Ouve-me e compreende-me… apoia-me… já me fez rir em momentos de tristeza e chorar abraçada a ele em momentos de alegria… sabe quando não estamos bem sentimos quando não esta ele…
Criou uma ligação tão especialmente grande com a minha mãe que basta uma troca de olhares entre ambos para saberem exactamente o que se passa!
No fundo é uma parte do meu coração que esta com ele e que sangra sempre que sei que mais dia, menos dia terá que partir”
A quem me colocou no caminho este pequeno ser os meus profundos agradecimentos…. A vós que me leiam não julguem… sintam!


8 comentários:

Mega disse...

E como sempre um texto maravilhoso.
Depois de ler só posso dizer nada a acrescentar.
Continua a escrever.
E que os teus textos sejam divulgados pelo éter o mais depressa possível.
Beijo

Utena disse...

Mega,
A ti só posso agradecer os carinhos e os comentários.
Beijos grandes

M. disse...

Não me interpretes mal...

Please...
(mas não te assustes!)


Que um dia escrevas sobre as pessoas como escreves sobre os teu amigos patudos...

Meu desejo para ti.

Sofia disse...

Que maravilha, eu também tenho um cão, um cocker, e só lhe falta falar!
Mas eu também sou natural do Porto :-)
Beijinhos,
Sofia

Utena disse...

M.
No dia em que o ser humano começe a ter no coração os sentimentos dos animais eu escrevo... ou então pode ser que um dia me apareça alguem especial que me leve a faze-lo.
E a ti nada posso levar mal...
Obrigada pelo desejo... de coração

Utena disse...

Sofia, só quem passa por estes momentos sabe e reconheçe o seu valor.
Beijos conterranêa

Luísa Lopes disse...

Lavada em lágrimas, pois já perdi companheiros de VIDA não racionais. É de facto difícil de entender (para alguns) tamanhas sintonia e cumplicidade. Amor incondicional.
Graçaaos Deuses há pessoas assim.
Beijo

Utena disse...

Luísa minha amiga linda, pessoas como nós sabemos que momentos passados com eles são momentos para a vida.
Beijos grandes
Adoro-te