sábado, 13 de agosto de 2011

Desabafos na madrugada #1

È uma da manha estou aqui no sossego do meu refúgio de nariz totalmente entupido e com os olhos inchados como já não tinha a muito tempo… andei a fugir de ver este filme pois com aquilo que sabia dele tinha plena consciência que seria um filme que iria mexer bem ao fundo dos meus sentimentos e abrir uma comporta que tenho mantido a custo fechada ao longo destes meses.
O filme que falo demonstra com uma capacidade surpreendente de doçura a realidade que vive diariamente quem tem a bênção de dividir cada segundo do seu tempo com animais maravilhosos como são os cães…
Chorei como já algum tempo não o fazia e confesso aqui sem pudor algum que continuo a chorar enquanto “exorcizo” de mim os restos do filme que me deixaram saudosa de todos os tempos que passei com os meus amores canídeos que já partiram e com estes que continuam do meu lado e que sei que eventualmente irei perder ser estar preparada para tal…
E mesmo sabendo que se trata de um filme apenas posso garantir que é um retrato bastante fiel que passam todos os dias os donos deste magnifico animal sempre que se têm de despedir permanentemente deles.
Sinto pena de quem não sabe o que é dividir a vida com estas almas maravilhosas de 4 patas que não só nos complementam mas que nos tornam pessoas melhores…
E em opção de escolha entre a liberdade da falta do compromisso que ter um animal possa trazer ou mesmo os custos que advém de amar acima de qualquer coisa quem de nós depende, colocando o seu bem-estar acima de mesquinhas recompensas que se tornam vazias ao longo do tempo não tenho a menor duvida por que caminho opto… pelo que sempre optarei…
E se o digo agora do alto dos meus saltos aos 33 anos, já o fiz quando gaiata de totós em que me foi dada a escolha de um companheiro ou de um computador… não vacilei na altura… não o faria agora.
Não me arrependo nem um segundo e os momentos que passamos e que ainda iremos passar só fizeram de mim mais humana e mais mulher.
No fundo a frase que fica no fim do filme resume de uma forma especial tudo aquilo que quero transmitir e que tenho receio de no meio do forte estado emocional que me encontro tenha saído confuso:
“Um cão não vê utilidade em carros elegantes em casarões ou em roupa de marca um pau ensopado é o ideal para ele.
Um cão não se importa se você é rico ou pobre, talentoso ou chato, inteligente ou burro.
Dê a ele o seu coração e ele te dará o dele.
De quantas pessoas você poderá dizer o mesmo?
Quantas pessoas te fazem sentir único, puro ou especial?
Quantas pessoas te fazem sentir extraordinário?”
Pensem nisso sempre que olharem para um cão e o virem como um animal que não sente ou que não sofre… e dêem apenas 10% do que ele vos dá a vocês e será já tanto…
Mas no fundo realizem que não só ele vos vai fazer sentir bem… como vos vais transformar em alguém melhor do que já são… em alguém extraordinário…
Eu sei isso… porque foi exactamente assim que me fizeram sentir todos os que me deram o privilégio de dividir a minha vida com eles…
Obrigada por dividirem este momento lamechas comigo… vou dormir senão amanha parece que fui enterrada e desenterrada viva =)
Essa é a desvantagem de já se ter passado os 30…
BTW?
O filme foi o Marley e eu… mas isso já vocês imaginavam

14 comentários:

Martini Bianco disse...

Melhor em casa à 1 da manhã, que no trabalho as 4 e meia :)

Nunca vi esse filme, porque até da televisão abdiquei e à frente do pc perco a concentração nos filmes, mas valeu pela mensagem, e no seu timing. Já começaram as noticias dos abandonos e os canis já estão a rebentar pelas costuras.
Eu infelizmente nao posso ter animais onde moro, mas quando vou a casa da minha mãe, sei que por lá continuam imensos gatos, que gosto sempre de afagar e brincar.

Dizem que os animais apelam-nos a sentimentos nobres mas ao longo do tempo pouco ou nada parecemos ter aprendido com eles...

Álvaro Lins disse...

Não te preocupes, porque estás bem assim:)!
Gostei do texto e inteiramente de acordo com ele.
Bjo

CF disse...

Chorona! :):)
Concordo com o que dizes dos animais...
Eu não tenho nenhum animal em minha casa...opções circunstanciais! O meu lema é "quem não os pode ter, de forma a tratá-los condignamente, então que não os tenha". Abomino verdadeiramente o acto de abandonar um animal...só de ver o olhar deles de sofrimento dá dó e revolta.
Cá em casa as minhas filhas cuidam de tudo o que aparece por aqui... no inicio confesso que fiquei assuatada porque depois teria uma série de animais à porta, mas as coisas tem se equilibrado! tenho comida para cães e gatos e qd aparece uma alma esfomeada, as minhas filhas tratam do assunto! Tb são as guardiães dos animais dos vizinhos que sairam de férias..nem te digo nada:))
Tenho um serviço de zoo babysitting e uma das coisas que reparo é que pelo facto de cuidarem dos animais tão bem, isso dá-lhes um sentido de responsabilidade espetacular... Como vês eu não preciso de animais meus, pois já tenho todos os que são possiveis de ter... (curiosidade: as minhas gémeas querem ser veterinárias e olha que me inclino a pensar que é o ideal para elas, pois a forma como cuidam dos animais é enternecedora)
bjs
PS. desculpa esta verborreia toda mas apeteceu-me partilhar isto contigo

Utena disse...

Martini,

Antes de mais espero que a esta hora já estejas no repouso =) o trabalho nocturno é dos mais cansativos...
Quanto as terríveis noticias infelizmente tornou-se o pão de cada dia para mim quem abandona um animal abandona um filho... não tem alma.

Quanto ao aprender os maus instintos adquirem-se facilmente quanto aos bons... ui dá tanto trabalho =)

Utena disse...

Álvaro,

A minha sorte é as maravilhas de uma maquilhagem cuidada =)

Beijo

Utena disse...

CF,

As tuas partilhas são sempre deliciosas =) e deixam-me sempre com um sorriso nos lábios...
As tuas gémeas devem ser maravilhosas de se lidar.
Deixa-as interagir com os amigos de 4 patas só lhe vai trazer benefícios e as tornar cada dia melhores pessoas.

Beijinhos minha guarida zoológica

Ana Domingos disse...

Esse filme faz-me chorar de cada vez que o vejo. A primeira vez que li o livro, meu deus, chorava por todos os orificios! É um filme lindo, sem dúvida, os animais conseguem trazer ao de cima aquilo que cada um tem de melhor... Como é que há pessoas incapazes de sentir empatia com eles...? É um mistério para mim.

Utena disse...

Ana,

E infelizmente é um mistério que não gostava de descobrir.

pink poison disse...

Tenho o livro e fui ver o filme...E já tive alguns desgostos com cães, são realmente quem nos ama e acompanha e tudo faz para nos compreender.
Um beijo

Anónimo disse...

Oh amiga...
Como já falámos tantas vezes espanto-me como as pessoas conseguem ser tão crueis com os animais... como podem abandonar criaturas que nos dão amor incondicional e não esperam nada em troca... mas depois lembro-me de todos aqueles que abandonam os seus familiares em hospitais e lares... sim, há pessoas sem coração.... eu tive um gato durante 20 anos, levávamo-lo sempre que íamos de ferias e quando ele partiu foi como se um membro da familia se tratasse---tenho muitas saudades dele...
beijinhos grandes amiga
OlgaM

Utena disse...

Pink,

Saber que fazem parte da família... sem pedir nada mas dando tanto

Utena disse...

Olga,

Sim esta é uma conversa que falamos sempre que estamos juntas...
A falta de alma e a facilidade com que as pessoas se desapegam destes maravilhosos seres sempre me ultrapassou.

Beijo grande

Helena disse...

olá,
gostei do que li. esse filme não me fez chorar porque eu sou daquelas que "nunca chora" mas fiquei com nó na garganta.
Já deves conhecer ou ter visto, mas recomendo-te este filme:
http://www.imdb.com/title/tt1028532/

Utena disse...

Helena,

Em primeiro bem vinda ao meu cantinho obrigada pelo comentário.
Ainda não vi o filme que falas mas pretendo ver...mas como com estes filmes fico com a alma lavada em lágrimas é melhor dar um intervalo =)
Obrigada pela sugestão.