quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Confessem que até gostam de me ver virada do avesso

Eu tento. A sério palavra que tento. E tento com muita força e com métodos alternativos que fariam suspirar qualquer Zen que por aí apareça.
Faço terapias de relaxamento… sistemas de respiração controlada…conto de 1000 para trás. Penso no pôr do sol… no brilho das estrelas… até no chilrear dos passarinhos.
Mas não adianta se existe uma coisa que me põe em órbita é a falta de profissionalismo das pessoas… e eu lido com elas inúmeras vezes para o meu gosto.
Aquele diz que faz…diz que resolve e depois passa a “bola” para o outro que se justifica com o mesmo que até 5 minutos atrás nada tinha com o assunto deixa-me a ferver.
Eu nunca fui assim e sinceramente faz-me alergia lidar com isso.
Se por um lado é extremamente difícil trabalhar com fornecedores portugueses (e não me falem que com a put@ da crise é preciso apoiar o que é nacional porque eu estou a um ponto de estoirar) por outro é agoniante trabalhar com os espanhóis e os italianos.
Vamos todos por 5 minutos deixar de lado o fado do desgraçadinho que luta todos os dias para ter o ordenado e vamos por a mão na consciência sim?
5 Minutos a pensar como adultos responsáveis que deveríamos ser e depois voltamos aquela típica forma de ver a vida de alguns que é “quem não chora não mama”.
O que eu vejo hoje em dia com as diferentes situações em que lido é que se desaprendeu de trabalhar e de se saber lidar com as vicissitudes da vida, o mundo e não apenas Portugal ou a Europa viveu estes últimos anos acima das suas reais possibilidades, fazendo como as más empregadas domésticas que varrem o lixo para debaixo do tapete.
As facilidades, os empréstimos, cartões de crédito, pagamentos em prestações foram-se sucedendo, iludindo os tolos e lubridiando os parvos que se começaram a achar que tinham o que ter o que o vizinho tinha mesmo que ganhassem metade do que ele ganhava… mas que nenhuma importância tinha pois existia o direito de se ter como se fosse uma coisa assumida de princípio e não tivesse de ser conquistada.
O que originou esta mentalidade de cocó? Que a vida é mais fácil do que na realidade é, e que a temos ganha á partida sem antes mostrarmos o que valemos.
A realidade? Que estava mais que visto que iríamos pagar caro a factura inevitavelmente.
Estamos em tempos difíceis estamos… que muitas vezes me sinto sufocada a pensar que não compensa ser honesta e lutar pelo que se quer… sem dúvida! Que ninguém enriquece com o trabalho… (e agora dei por mim a rir sem contar) já o sabia a tão tempo que até dói. Mas sou teimosa e não desisto, o sonho é algo que por mais difícil que seja vale sempre apena lutar por ele e seguir a estrada em frente por mais buracos ou obstáculos que se encontrem.
Por isso não admito (sim a palavra é mesmo essa) que me façam de parva ou que gozem com o meu trabalho e a verdade é que em todas as mudanças de colecções tenho de levar com paneleiros espanhóis a achar que descobriram as Américas e podem enganar os saloios portugueses. News Flash? As Américas foram descobertas por portugueses e eu tenho tanto de saloia como os espanhóis têm de letrados e entendidos… ou seja? NADA!
Confesso que devem gostar de me ouvir barafustar ao telefone enquanto deito literalmente fumo pelos olhos e lhes explico pormenorizadamente com quantos paus se fazem uma canoa e lhes ilustre que um deles está a pontos de lhes ser enfiado pelo cú acima!
Comigo as coisas são simples e claras, uma falha todos temos e é natural… aliás nos tempos que correm naturalíssimas. Fábricas fecham infelizmente dia sim, dia sim. Entregas de material atrasam-se e consequentemente também a sua produção e respectiva entrega. Então assumam por amor da Santa! Ligam e dizem, olhe por esta situação assim-a-assim não entregamos a encomenda na semana x, entregamos na y. Estas coisas sabem-se com antecedência e a pessoa fica a contar ou não?
Agora porem-me a espera á mais de uma semana por uma encomenda que só vai chegar amanha e que vai atrasar-me a vida é cutucar um urso a curta distancia despido e coberto de mel.
Resultado?
Aproveitei a onda e ainda liguei a Optimus que de competente tem tanto como o Sócrates de bom governante e juntei um ao outro naquilo que deverá ter sido a maior “piçada” dos últimos tempos.
E quando acabei de falar para além de ter uma voz sexy estilo Merche Romero ainda deixei muita marca de cosmética a beira de um ataque de nervos e inveja por não saber que tipo de rouche estava a usar…
Estão a ver? Daquele natural que acompanha o tom brilhante e assassino no olhar onde a única coisa que nos safa é não ter os pescoço desta genteca incompetente á beirinha dos dedos.
Haja pachorra que a minha está por um fio palavra que está!
1000…999…998 (vamos ver se isto ajuda)
Namasté

19 comentários:

Sharky JP disse...

Calma, calma, calma, respira fundo.
Agora já podes rebentar e mandar essa gente para o #@%&$*%, sim?
Abraço

Sharky JP disse...

Agora a sério, não sei como aguentas essas " Verborreias " de gente incompetente...

Utena disse...

Sharpy JP

As vezes vontade não me falta acredita =)

E como aguento?
Pratica muita pratica

FireHead disse...

Estás a precisar de beber um Licor Beirão. :)
Cá para mim a culpa disto tudo é do D. Afonso Henriques: ele quis fundar a nação e é graças a ele que hoje em dia não somos espanhóis. E podes sempre pensar que os gregos conseguiram fazer bem pior que nós e acabaram por levar com a tragédia que é mesmo deles, a grega...
Nós por cá precisamos é de um novo Salazar... Oh, se precisamos...

Anónimo disse...

Ai concordo contigo... de facto uma falha todos temos, mas a incompetencia e estupidez que há por aí é aflitiva. E se me apanham num dia menos bom, também ouvem porque se há coisa que me tira do sério é mesmo isso, só dá vontade de correr toda a gente à estalada! Haja paciência!!! E tu que lidas com fornecedores todos os dias deve ser de gritos mesmo!!
Não sei como te aguentas sem dar uma traulitada a alguém, lol!!

Beijos e força aí!
OlgaM

Utena disse...

Caríssimo Fire,

Concordo contigo quanto ao licor Beirão e em relação a Salazar (precisamos muito mesmo).
Quanto a sermos espanhóis e desculpando desde de já se vou ferir alguém ou perturbar alguma convicção politicamente correcta eu não sou a favor de sermos da mesma nacionalidade aliás preferia que nem da mesma raça fossemos… e como sou uma gaja que tem a mania de dizer o que pensa e o que sente mesmo quando isso provoca olhares de soslaio para os meus lados uma das coisas que já inúmeras vezes me ouviram dizer quando se fala em “nuestros hermanos” é que se o meu pai se lembrou de procriar em alguma espanhola o rifo na hora =)

Beijinho

Utena disse...

Olga,

Já te esqueceste que lidei com uma espécie pior que todos os fornecedores, clientes mal-educados e ataques de mau feitio juntos?
Criei imunidade amiga e a verdade é que por esta altura já sabem também que é melhor não me pisarem os calos.

Beijinhos

Eva Gonçalves disse...

A esta hora já chegaste ao zero, :) se não resultou, começa de novo! :)) Beijo

Utena disse...

Eva,

Neste momento e depois de ter sido recebida com mimos e olhos doces pelos meus amores de 4 patas estou muito mais tranquila.

Beijinho

Martini Bianco disse...

Claro que sim. Muitas vezes temos que mostrar o nosso outro lado para nos fazermos entender por quem não quer ou tem problemas de audição :)

Só é chato porque muitas vezes completamente ao avesso também pode ficar a etiqueta fica demasiado visível :)

Bjs

CF disse...

Amiga eu preferia ver-te do direito...com voz rouca de Merche Romero, presumo o que por aí vem...lololololololol
Deixa lá, a incompetência provoca deste reveses, embora eu tb esteja com vontade de ver a tu coleção...pois desejo que te dês super bem e que corresponda aos teus anseios (isto foi uma tentativa de ver-te...lolol)
bjs grandes
PS: para que não fique dúvidas, os meus desejos são sinceros...:)

Utena disse...

Martini,

Eu sou daquele tipo de pessoas que se rege pelo "what you see is what you get" por isso arranco as etiquetas a tudo...

Beijo

Utena disse...

CF,

Não duvido que sejam sinceros e mesmo que tenha de dar uma de Rocky Balboa que tem a voz de bagaço bastante apurada abro na próxima semana e mostro.
Não a mim mas a colecção.
Quanto a veres-me é quando quiseres e vieres ao continente... pago o café

Beijinhos

CF disse...

Amiga eu vivo no Continente...não no Hiper...:))
Aveiro city...lol
Portanto, o café está combinado...lol
bjs e boa rentré para a tua colecção

Utena disse...

CF,

As minhas desculpas não sei porque fiquei com ideia que vivias na Madeira... ai esta cabeça.
Então o café é muito mais fácil.

Fixe
Beijo e obrigada

TERESA SANTOS disse...

Utena,

O estranho é que ainda não te tenhas habituado.
Foi, é, e será sempre assim! Problema genético? Provavelmente.

Já chegaste ao 555?
Pronto. Então já estás mais calma!

Mas que tens toda a razão, tens. Esses comportamentos enervam um santo.
Ainda há disso???

Beijinho, bom fim-de-semana.

Utena disse...

Teresa,

Nunca me consigo habituar a falta de brio penso sempre que aprendendo com os erros não se os torna a cometer.
My mistake.

Quanto aos anjos? Ainda existem sim.

Beijinho

FireHead disse...

Eu quando falei do fundador da Nação não foi com o intuito de o culpar por não sermos espanhóis, antes pelo contrário! Sou português com muito orgulho, ainda por cima português ultramarino, da Utopia Portuguesa do V Império! Infelizmente há muitos portugueses que parecem não se importar de ver isto integrado em Espanha. O motivo? Porque lá o ordenado mínimo é o dobro do daqui! Cambada de traidores mesquinhos e vendidos que só dão razão ao que Luís de Camões já previa e escreveu: "Até entre os portugueses, traidores houve algumas vezes".
Quanto à raça, isso já é mais difícil... somos ibéricos e partilhamos uma história mais ou menos comum. E sinceramente prefiro os espanhóis aos ingleses. Os espanhóis são de facto "nuestros hermanos". Os amigos nós podemos escolher, já a família é-nos imposta à nascença...

Beijinhos.

Utena disse...

Fire,

Concordo... com pontos (e dizes tu que és do contra vês como existe piores?)
Quanto a haver traidores isso não temos dúvidas e existem em todos os lados e sim existe muito tuga por aí capaz de vender a mãe por meia dúzia de tostões.
Quanto a serem piores os Ingleses também. Nunca gostei de gente sem sal.
E sim dividimos história e formas semelhantes de ver a vida.
Quanto a serem nuestros hermanos ai é que não.
Aliás?
Não, não e não! Ponto.
Já agora nunca quis dizer que não és português com paixão e orgulho isso da para ver tão bem na tua escrita.

Beijinho moço ardente (não sei como não tens calor com esse fogo todo á volta)