terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Lei do menor esforço

Ontem estava eu em estado semi comatoso/ vegetal em frente á televisão quando do nada deu um especial do Peso Pesado. Que a nossa extraordinária televisão goste de repetir as coisas já não é novidade. Mas na realidade o caso de tamanho alarde não eram as repetições das horas sofridas de ginásio, nem das desistências que foram mais que muitas ou pelas dores ou pelo cansaço, não o directo (sim porque o caso supostamente foi suficientemente grave para ter direito a directo… tamanha honra não tiveram os incêndios de Natal) foi porque um dos concorrentes terá violado o contracto e ingerido substancias que influenciam o emagrecimento.
Eu gosto do programa confesso, é talvez dos poucos que perco tempo a ver nos canais nacionais… é duro… é jogo e todos lá dentro fazem tudo por tudo para chegar ao fim. E nada tem a ver com melhorias de saúde tudo tem a ver com os 50.000€ de prémio final.
E dei por mim a pensar que entra ano… sai ano… e as coisas mantém-se iguais… por um lado a tendência idiota dos média de fazer sobressair o que de errado tem as coisas fazendo para isso render o peixe numa conversa sem pés nem cabeça, dando voltas e voltas para chegar aonde se chegaria num estalar de dedos por outro a mentalidade de ir pelos atalhos… pela lei do menor esforço. O “espertismo” que me irrita e que se vê em todo o lado do trabalho ao transito… do super-mercado ao ginásio.
Sou das que luta pelo que quer… nada do que tenho me veio de mão beijada ou por uma qualquer ordem divina que acorda naquele dia e diz aquela que se farta de suar merece um doce pelo seu esforço.
Quando procurei trabalho consegui pelo que sou… pela entrevista que dei… não por cunhas (não as reconheço como algo que necessite) … quando subi na empresa subi a pulso, demonstrando que sou boa no que faço, aliás boa não muito boa já que para conseguir chegar ao patamar que cheguei assumi o que de pior podia existir lá dentro com episódios que teria assustado o alien (mas isso são histórias para outras núpcias) e no fim quando bati com a porta bati com a certeza que nada mais havia a fazer e com a cabeça e a cara limpa de quem entrou por mérito, subiu por competência e os mandou bardamerda com razão.
Hoje olho para estes jovens e penso até onde será que pensam chegar com estes facilitismos, estas tentativas burras de enganar toda a gente e no fim são eles os enganados.
O exemplo daquele miúdo que me parecia inteligente e com capacidade para alcançar por mérito as suas metas é a prova disso, aquelas merdas não funcionam, não existe poções mágicas para emagrecer se existisse todos éramos Adónis e Deusas Gregas. Por isso mais uma vez se prova que a lei do mais esperto acaba com um valente tiro no pé. As coisas conseguem-se com suor, esforço e lágrimas e muitas vezes lágrimas de sangue que nos fazem olhar para o lado e desejar também nós seguir o caminho mais fácil… que na realidade não nos leva a lado nenhum a não ser a ilusão de sermos felizes.
Ter verdadeiramente sucesso consiste em sentir esse desejo de deixar que as coisas aconteçam por portas e travessas…sonhar que acordamos de manhã e uma qualquer fada boa nos concretizou os desejos todos e depois suspirar enquanto se pensa que seria muito bom arregaçar as mangas e ir á luta. E saborear as pequenas vitórias pois apenas assim são sentidas, vividas e experienciadas na sua plenitude.
Admiram-se depois quando dificilmente quem consegue as coisas pela porta da burra as consegue manter, dar valor ao que se tem quando se as consegue da forma facilitada é uma Utopia desprovida de valor… logo deixa-las fugir pelos dedos é o destino que inevitavelmente lhes bate a porta.
No fundo como dizia Richard Bach:
“Nunca te é concedido um desejo sem que te seja concedida também a facilidade de torná-lo realidade. Entretanto, é possível que tenhas que lutar por ele.”
E eu sempre gostei de uma boa batalha.
Namasté

10 comentários:

Superman disse...

Precisamos realmente lutar a favor daquilo em que acreditamos, tens razão!

Utena disse...

Superman,

Pena poucos pensarem assim e ainda menos darem valor a quem o faz.

Anónimo disse...

Como dizia alguém que me é ainda muito querido "se não lutarmos pelas coisas elas não têm valor" não posso estar mais de acordo!
Também nada me veio parar ao colo de mão beijada, pelo contrário, o que consegui até hoje (muito ou pouco, certo ou errado) foi pelo meu próprio pulso não o devo a atalhos nem a desvios. Aliás eu tenho tendência até para escolher os caminhos mais dificeis... mas quando consigo as coisas é uma satisfação incrivel!!
É certo que não há muitas pessoas assim, o gosto pelo imediato, pelo caminho mais fácil e mais facilitado alicia muita gente que por aí vai, mas será que aprendem o que deveriam aprender?
Beijinhos,
OlgaM

Utena disse...

Olga,

Aprender aprendem, da forma errada... da maneira incorrecta.
A serem mais espertos e mais papistas que o Papa... mas depois quando o tapete lhes saiu dos pés não sabem como dar a volta, como saírem do buraco e nessa altura eu gosto sempre de estar presente para ver.

Beijo

FireHead disse...

Não deixou de ser lamentável também o facto da SIC ter querido humilhar o rapaz. É assim, isto é a Tugalândia.

TERESA SANTOS disse...

Utena,

Espanta-me que te "espantes".
Já pensaste numa coisa tão simples, como no efeito que tem o monte de brinquedos que são dados as crianças?
Já pensaste que muitas delas, por vezes, nem têm oportunidade de mostrar desejo por isto ou aquilo? Já pensaste que não lhes é permito, sequer, sonhar?
Quando se cresce dentro deste "formato" haverá predisposição para lutar pelo quer que seja?

Depois há os "outros", os tais...
Ui, mas isso dava muito "paninho para muitas mangas"...

Beijinho.

Utena disse...

Fire,

Achas que iam perder a oportunidade de fazer sensacionalismo?

Utena disse...

Teresa,

Ainda me espanto com estas amostras de espertismo... e lido muito mal com isso acredita

Beijinho

FireHead disse...

E a Cátia que fez sexo oral ao pasteleiro na Casa dos Segredos? XD

Utena disse...

Fire,

As coisas que tu sabes...
KAREDO