sábado, 11 de fevereiro de 2012

Quando o céu é o limite...


Engraçado como certos assuntos me florescem à mente, mesmo sendo alguém que tem a imaginação farta… aliás é algo que adoro explorar, muitos dos temas que trago até aqui, nascem de situações muitas vezes caricatas.
Este é um deles, e ocorreu-me ontem na minha aula de Pump, verdade que não é um sítio onde se deva estar distraída com temas para textos, ainda mais numa faixa de agachamentos com 15 kg nas costas… mas mais verdade ainda, e eu não me canso de salientar por aqui, é que eu não sou aquilo a que se chama propriamente normal.
E surgiu porquê? Por uma simples frase dita pelo PT… coloca mais peso e estica os teus limites… se me perguntarem se eu achava que os estava a atingir? Não! A verdade é que aqui a Utena já não vai para nova e para puder estar a 100% no dia seguinte tenho muitas vezes de limitar esforços… encurtar limites… mas confesso que me sabe bem ultrapassar os meus… mesmo que no dia seguinte me seja dolorosamente lembrado que já não tenho 20 anos.
E se pensarmos os limites têm o seu quê de engraçado… se não pensem comigo:
Quantas vezes na vida ultrapassaram conscientemente os vossos limites?
Porque inconscientemente são ultrapassados várias vezes… muitas vezes pagamos a factura…outras sentimo-nos orgulhosos de nós mesmos. De uma coisa que sempre tivemos capacidade para o fazer mas raramente arriscamos.
Claro está que uma coisa é ir além dos limites e outra é viver no limite… nunca seria capaz de viver no meu limite… já lá estive e o preço que se paga? Não compensa…
Mas ir para além de? E algo delicioso de se fazer… ir um passo de cada vez… conquista após conquista… com recompensas e reveses… mas sabendo que o que importa não é falhar é não tentar!
O comodismo mata… o desleixo inutiliza mas para mim o não saber que se consegue sempre mais nem que seja mínimo… nem que ninguém saiba ou aplauda… é castrador!
Quando conhecemos os nossos limites, conhecemo-nos interiormente… e se isso acontece, sabemos sempre que o limite esta naquela linha 5 cm mais adiante… e depois? O limite é o céu… e as oportunidades de se ser feliz…ilimitadas.
Viver a vida para mim é mesmo isso… um dia de cada vez… vitória após uma vitória com derrotas no meio, faz parte… ensina a crescer.
Limitamo-nos muitas vezes porque temos medo de falhar, não estamos “programados” para isso. Vivemos sempre em função da espectativa de outro… de ser o melhor amigo… de ser o melhor aluno… de ser o melhor funcionário... o melhor… até porque o 2ºlugar nunca tem direito ao trofeu, e dele poucos se lembram.
E se somos bons ou minimamente bons no que fazemos, na vida que temos porque nadar em águas fundas e correr o risco de nos afogarmos?
Por isso se vê maioritariamente as pessoas meio felizes… conformadas com a vida… numa relação porque sim… no emprego porque tem de ser!
Não serve para mim… comigo tem de ser tudo ou nada… não existe nem acredito naquele lema do copo meio vazio ou meio cheio. Se tenho sede bebo e ponto final depois? Vou a fonte e torno a encher! Mas não vivo porque sim! Porque me sinto estável na vida ilusória que tenho. E principalmente? Porque detesto que me tirem o tapete e me apanhem de surpresa, para isso estou cá eu!
E eu adoro surpresas… porque não criar umas quantas para mim mesma?
Surpreendam-se, excedam e vivam… mas sobretudo? Vivam na plenitude de saber que na vida não existe vencedores ou perdedores… existem inovadores.
Aliás não se costuma por aí dizer que um dia é da caça e outro do caçador?
Namasté

14 comentários:

Von disse...

Este post, excelentemente bem escrito, fez-me recordar uma frase de Charles Chaplin.

"A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos."

Parabéns pelo texto, Adorei!
Beijinhos, simpática
:)))

TERESA SANTOS disse...

Utena,

Como te compreendo nessa tua postura de vida!
O copo meio cheio, meio vazio, o "será que vou conseguir?", o medo, o acomodar, o aceitar tudo como se fosse uma inevitabilidade, o virar as costas à luta, esse é o caminho que não conduz a nada, a não ser a uma vida pobrezinha de sentido.

Mas sejamos pragmáticos. Olha que também existem perdedores, e muitas vezes por causas de que não são responsáveis!

Gente sem escrúpulos? Há, infelizmente há. Gente que para alcançar o seu objectivo pisa tudo e todos.
Gosto de jogo limpo, e todos sabemos que o mesmo, por vezes, é viciado.
Aí, em situações dessas, como se pode ser vencedor?!
Mas, perante estes casos limite vamos virar as costas?
Não, claro que não!

Beijinho, lutadora.

Álvaro Lins disse...

Exceder os limites:)!
Pois.
Bjo

Utena disse...

Von,

Ora se o menino não é um charmoso de primeira =)
Obrigada pelas palavras e pela presença.

Beijinhos

Utena disse...

Teresa,

Mesmo os perdedores são lutadores quando não encaram a perda como derrota mas como aprendizagem.
E gente sem escrúpulos? Isso existe desde do inicio do mundo.
Infelizmente.

Beijinhos

Utena disse...

Álvaro,

Sempre...
=)
Beijo

Rafeiro Perfumado disse...

Quatro coisas:
1º O limite da jove da imagem não é o céu, é mesmo o chão, a avaliar pela posição do corpo.
2º Sò existiu uma situação na minha vida em qeu fui para lá dos meus limites, e ia morrendo. Foi quando subi ao Pico a primeira vez, convencido que era o mesmo que ir ao café lá da terra.
3º Aprendi a antes de desafiar os meus limites preparar-me para eles
4ºBeijoca

Utena disse...

Rafeiro,

1º não sejas tão terra a terra...depois cais
2º Isso é falta de treino. Toca a exercitar essa respiração.
3º Esse é o principal a fazer-se.
4º Beijoca e xi-coração

o guardador disse...

Nam-Myoho-Rengue-Kyo :)*

Anónimo disse...

Boa pergunta: se já ultrapassei os meus limites? Talvez. Se percebi que o tinha feito? Creio que não!
Se devemos arriscar? Sempre! Nunca nos devemos conformar, apesar de por vezes acabarmos por fazê-lo, em especial no que toca aos empregos. Quem está insatisfeito com o teu trabalho e pode deixá-lo por não gostar dele, que o faça!
Mas infelizmente como tu sabes nem sempre nos podemos atirar de cabeça para o nada porque temos as nossas responsabilidades... Nesse caso não podemos desistir de encontrar algo que de facto gostemos! Há que lutar sempre pelo melhor para nós, e nessa luta ultrapassarmos os nossos limites :)
Beijinhos,
OlgaM

Utena disse...

Guardador,

Que tal a tradução?

Baci

Utena disse...

Olga,

Verdade que sim... não podemos ir de cabeça mas não nos devemos conformar... ir a procura do que nos faz feliz não é perca de tempo... e sentido de felicidade.

Beijinhos

Anónimo disse...

Claro que não é perda de tempo, nunca o é, quanto muito é sempre uma aprendizagem, desculpa se dei a entender isso... devemos sempre lutar pela nossa felicidade SEMPRE! Tentando sempre, lutando sempre, nunca nos conformando e acomodando ao que temos...
Beijos,
OlgaM

Utena disse...

Olga,

Não deste a entender isso... estava apenas a raciocinar o que escreveste.
Sei bem a lutadora que és.

Beijo