terça-feira, 2 de outubro de 2012

Utena Maria em versão professora

Ora então vamos aqui a uma lição que talvez, mas apenas talvez, ajude alguém para a sua vida.
Na minha vida rejo-me por muitas poucas frases formadas, daquelas frases típicas de ir ao cú que toda a gente inevitavelmente usa de quando em vez na sua vida.
No entanto tenho duas que uso como lemas em diversas ocasiões na minha vida e que vou referir ao longo do texto que me for saindo das pontas dos dedos.
Já todos sabemos da crise em que estamos, da falta de emprego (não falemos da diferença entre trabalho e emprego que senão tínhamos tema para durar e eu não estou para isso) das más condições do trabalhador, da dificuldade dos patrões, blá blá wiskas saquetas, no entanto certas regras e atitudes não deverão ser descuradas só porque se atravessam tempos difíceis e em alguns casos de aflição.
Referi aqui no Idealismos há um tempo atrás que estava a precisar de um part-time que me permitisse descansar umas horas (fazer de segunda a segunda 11 horas não é pêra doce), tenho a felicidade de vos dizer que consegui a pessoa certa. Não pelas que me apareceram, algumas serviam, outras não e muitas eram de bradar aos céus, mas porque uma das donas de uma loja se vai embora e sugeriu a sua funcionária pelo que acertamos horários (é mais um mês a dar-lhe mas quem corre por gosto não cansa) e acertamos negócio.
Na vida, pelo menos na minha vida (e sim esta que vai sair é uma das frases padrão que uso) ninguém é mais que ninguém, para mim tão necessário é um Dr como um almeida (nome nortenho para varredor de ruas), aliás muitos dos benditos doutores de nariz empinado que por aí andam e que se sentem maiores e melhores que qualquer um andariam na merda se não houvesse alguém que limpasse as ruas por onde andam, ou as sanitas onde mijam, enfim adiante.
Talvez por pensar assim uso outra frase na minha existência que é que ninguém é melhor que eu, pode haver igual a mim mas nunca melhor que eu, já que quando me predisponho a fazer algo, faço-o nem que seja na cabeça de um tinhoso.
Tive uma formação em casa muito rígida em que os direitos só vêm depois dos deveres, por isso aplico-a na minha vida profissional, e quando não estou bem com as chefias, pura e simplesmente mudo-me já que não trabalho com quem não respeito.
Posto esta pequena (grande) introdução, vamos a lição propriamente dita e que parece muito pouca gente aprende, deveria até no meu entender, haver uma cadeira nas escolas que a ensinasse, que é como nos devemos  preparar, comportar e agir para uma entrevista de emprego.
Todos os casos que retratar como exemplo, por mais anedóticos ou irreais que possam parecer, são verdadeiros e aconteceram comigo, nos dois lados da barreira já que eu funciono nos dois campos:
-Comecemos pelo básico não preparem o vosso CV como se fosse uma base universal para todos os tipos de pele, cada caso é um caso e um CV demasiado longo com informação supérflua é meio caminho andado para ir para o lixo sem ser estudado. Além de que mostra que não houve da vossa parte nenhuma preparação para aquela resposta. Foi entregar e seguir caminho. Já agora entreguem em conjunto uma carta que vos retrate como pessoas e profissionais mas o mais básico possível, frases do género:"tenho boa capacidade de liderança" e porque quem tem cú tem medo é certinho que aquele que será vosso chefe nem vos queira ver para um primeiro contacto.
Arranjem-se de forma sóbria mas não pensem que vão para a praia ou beber um copo com o vosso grupo de amigos, evitem a sério estoirar balões enquanto falarem com o vosso entrevistador e não tratem ninguém por tu, querida ou rica, vocês estão a responder a uma entrevista de trabalho não a concorrer a casa dos segredos.
Não vão a cheirar a álcool (por todos os motivos e mais alguns não preciso de explicar pois não?)
Não façam do interlocutor estúpido ou ignorante, irem a uma loja dizer que são bancárias e que trabalhar atrás de um balão não tem nada que se lhe diga é meio caminho andado para que vos mande ir para casa cozer meias (e correm o risco de vos dizer para irem fazer broches a grilos).
Atendimento ao público personalizado nada tem a ver com servir comida na ala hospitalar, nem passar produtos na caixa de um supermercado (trabalhos dignos sem dúvida) mas que apenas faz com que vos olhem incrédulos a pensar o que raio vos pudemos dizer em resposta.
Estudem o local onde vão pedir emprego, e mesmo que a candidatura seja espontânea  falem um pouco com a pessoa, informem-se e venham outro dia, vestidos, preparados e com a atitude certa para responderem à vaga.
Não entrem numa entrevista a matar, não falem mal da vossa antiga entidade patronal nem perguntem no primeiro contacto qual é o ordenado, mostrem o valor, descrevam as qualidades e esperem pela oferta ou pela pergunta da outra parte.
E já agora se quem vos faz a entrevista, diz que provavelmente irá precisar que façam horas extraordinárias, saiam com ele nos fins-de-semana e que venham passar noites em horários laborais (sim isso aconteceu comigo) contra-argumentem se também quer o rabiosque lavado com água de rosas. Proteger os vossos interesses não é ser mal formado é ser inteligente e lá porque a falta é muita, a oferta não pode ser desesperada.
E por favor não se menosprezem nem vendam os vossos serviços por pouco, isso é estragar o mercado de trabalho, e um emprego é um contracto de compra e venda tão puro e simples como isso, vendemos o serviço a quem o compra, logo não pode haver defeitos da nossa parte e coloquem-se no lugar do patrão tal como ele se deve colocar no vosso.
Lembrem-se um não vive sem o outro mas a dignidade de ambos não deve em nenhum caso ser colocado a prova.
Em Portugal as entrevistas são brandas e muito pouco agressivas (tive aliás entrevistadores a questionar-me quem estava a entrevistar quem) por isso com um pouco de preparação e sorte todos teremos a nossa hipótese e quando se quer consegue-se mesmo sendo fora da nossa área, a não ser que sejamos especialistas no campo de coçar a micose.
Por último e porque já me alonguei treinem um sorriso e um tom de voz moderado nada irrita mais que ter uma Veríssima a perguntar condições quando estamos a atender um cliente ou depois de ter tido um dia cheio a falar com candidatos.
Ufa! Isto de ser professora têm que se lhe diga. Vá onde está agora a minha maça?

22 comentários:

Pedaços disse...

Acho que deverias dar uma palestra pública :) (nokas)

Anónimo disse...

Não é um pagamento, mas um obrigado pelas sugestões. Não desfazendo algumas são senso comum, mas mesmo assim pertinentes porque há gente que nem isso sabe.
(Vim para ao seu blogue porque a Net é assim mesmo...nem era disto que estava à procura, mas mesmo assim li, porque ao fim de 14 anos fiquei a saber que Dezembro é o meu último mês. (desculpe ter-me alongado, parece que sofre-mos do mesmo problema, leia-se escrever sem parar) mas não tenho blogue.

Anónimo disse...

Concordo concordo concordooooooo....
As pessoas têm de se preparar (quer no CV, quer para a entrevista) e sim tem de haver bom senso e educação... mas acredito que tendo isto em mente se deve assistir a cada situação..... imagino nestas semanas que tiveste o anuncio para empregada o que passou por aí....
Atendimento ao publico e personalizado não é nem nunca foi facil...é como dizes não é passar produtos na caixa do supermercado.. requer muito conhecimentos ... será que ninguém percebe isso???
beijinhos e força aí sra Utena :) a sua maçã vai a caminho :)
OlgaM

Utena disse...

Pedaços,

Acho que ainda era linchada em praça pública.
Ainda bem que voltaste Nokas

Utena disse...

Anónimo,

A net aproxima quem esta longe, e as vezes mostras-nos um texto que fala do que estamos a passar.
Espero que esta tormenta passe depressa e volte sempre que quiser o meu espaço esta aberto.

Utena disse...

Olga,

As pessoas não têm noção do que perfil é preciso para se estar atrás de um balcão, os sapos que se engolem, as lágrimas que se reprimem, as dores de cabeça que temos...
Mas isso é em tudo, não há formação nem preparação e depois admiram-se.
Estou a espera da maça...

Beijos

AC disse...

Já aprendi umas coisas..vivendo e aprendendo.

Beijinho ruivinha

L'Enfant Terrible disse...

Se a entrevistadora fosse parecida com essa imagem de manga aí de cima o mais certo era eu em vez de falar o que quer se fosse babar-me todo. Adiante, creio que o grande problema em Portugal é que falta aos próprios entrevistadores qualidade de análise de perfil, isto porque é normal alguém ir minimamente nervoso para uma entrevista de emprego, mas nem sempre isso quer dizer que a pessoa não seja indicada. Acontece que mesmo nas empresas supostamente dedicadas ao recrutamento as pessoas que o fazem são pouco profissionais na escolha, isto claro, algumas mas não todas. Quando o entrevistador é o próprio patrão o caso piora ainda mais, se bem que é certo que cromos a irem procurar emprego vai haver sempre porque basta ver os "Idolos" para se ter uma boa ideia!

Alexandra disse...

Aplaudo de pé... já tinha lido quando publicaste, mas por falta de tempo não comentei! Um beijo grande e tem uma noite descansada! <3

Lux disse...

Subscrevo.
Apenas.

Lux

Utena disse...

AC,

Se assim é fico contente porque o que aprendo contigo não tem preço.

Beijo

Utena disse...

L'Enfant,

A boneca era suposto ser uma professora =).
Concordo contigo não existe formação da parte dos entrevistadores para traçar perfil e isso muitas vezes invoca erros lamentáveis.


Utena disse...

Alexandra,

Beijo e obrigada =)

Utena disse...

Lux,

e eu apenas agradeço.

Beijos

Observador disse...

Muito bem!

Quanto à maça vou falar com o Nuno Crato.
:)

Utena disse...

Observador,

Trata disso então que eu já estou com fome =)

Pretty in Pink disse...

Obrigada pela lição! Ainda bem que não faço nenhum desses erros! Aliás devia era ser mais de argumentar e perguntar pelas horas extras que eu sou mesmo to tipo come e cala...Agora fiquei foi preocupada que eu tenho a voz fininha LOL=P

Beijinho*

Utena disse...

Pretty,

Desde que bem controlada e sempre com um sorriso nos lábios de certeza que não vai fazer diferença.
Eu falo das que gritam mesmo.
Insuportável.

Beijos

Observador disse...

Gostava de ter uma professora assim.
Ou, pensando melhor, talvez não.
:(

Utena disse...

Observador,

Estas a referir-te à manga da foto ou a mim?

FireHead disse...

Nos tempos que correm, adulterar o CV (omitindo informações) ou mentir durante a entrevista de emprego é que é o caminho a percorrer...

Utena disse...

Fire,

Nos tempos que correm adaptarmos-nos as coisas é o que deve ser.