segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Desconfiança

Diz o ditado que a confiança é algo que se conquista, será mesmo assim? Adiantará conquistar um sentimento que muitos ignoram e tantos ofendem?
Eu vou mais pelo outro, aquele que diz que apenas desconfia quem não é certo, se por um lado me parece mais palpável por outro faz para mim todo o sentido.
Que adianta conquistar a confiança de quem por natureza é desconfiado, de quem procura constantemente falhas, deslizes e que quando não os encontra, inventa?
Aliás a desconfiança tem o maior dos aliados, o ciúme, outro daqueles sentimentos que por mais "provas" dadas, por maiores demonstrações que possamos doar da nossa parte nunca está completamente morto, quase como se de um zombie de um filme de 5ª categoria se tratasse, quando pensas que vai acabar o filme ele levanta-se e come o cérebro do herói.
E o engraçado? É que tens sempre a sequela barata do mesmo filme, com os mesmos protagonistas no mesmo guião.
Não tolero desconfiança, irrita-me solenemente os ciúmes doentios, claustrofóbicos...aliás enerva-me qualquer tipo de sentimento onde a palavra, Juras? esteja incluída...e nestes inevitavelmente estão:
-Juras que não me mentes?
-Juras que me amas só a mim?
-Juras que não me trocas?
-Quem é aquele? Ah é colega... juras que é só trabalho?
Numa sociedade onde os divórcios não são já tabu, onde estar sozinhos aos 30 não significa que fiquemos para tios, quando alguém esta com alguém é porque quer...não porque é imposto. Então porque esta merda de sentimentos mesquinhos, inúteis?
Destrói, matam-se sentimentos de anos ou de poucos dias em segundos, porque não nos sentindo seguros de nós atiramos aos outros as nossas próprias frustrações.
Sentimos ciúmes, somos desconfiados porque não somos fieis a nós e aos outros e por isso julgamos quem temos do lado por igual medida... e depois?
Depois vêm as lamentáveis desculpas, as tentativas fracas de perdão de alguém que num estalar de dedos matou aquilo que de melhor existe.
A cumplicidade do amor.
Porque é mesmo disso que se trata, ponto final paragrafo e neste caso o mais provável e que não vai mudar de linha!
Pensem nisso antes de desconfiarem de quem está do vosso lado, ao em vez de falarem como adultos.
Namasté!

36 comentários:

dom disse...

Mais uma vez, sábias palavras.
Não existe mais nada para acrescentar.
Uma vez desconfiado, sempre desconfiado. Quando se ama e se confia, o Amor flui. A desconfiança leva à mentira e vice-versa, dois sentimentos que eu abomino.
Amo-te!

Moi disse...

Há ciúme e ciúme... há aquele miudinho que gostamos de sentir quando nos embelezamos e cativamos todos os olhares... e há aquele que falas doentio, nunca suportei, mas a verdade é que existem pessoas que sentem e e mais forte que eles, e isso pode causar imensos problemas na vida das pessoas.







Beijocas em TI ruivinha

AC disse...

Não sou ciumenta e não gosto que sejam comigo. Tal como tu acho que o amor é baseado numa relação de confiança onde determinados limites da individualidade e das escolhas pessoais devem ser mantidos e respeitados pelo outro.. era incapaz de viver com uma pessoa que me controlasse, que quisesse saber todos os passos que dava ou estivesse constantemente a exigir-me juras...

Assino por baixo.

Confiança, cumplicidade, respeito.

Beijinho Ruivinha que diz umas coisas acertadas.:)

Alexandra disse...

Não gostei deste post e espero que o mesmo não tenha relação directa contigo, ainda assim deixo-te estas perguntas:

O que leva alguém a não confiar totalmente? Já que não podemos esquecer que esse alguém tem passado.

Até que ponto os ciúmes são saudáveis?

Não será que todos temos um pouco de insegurança entro de nós?

Não será que todos temos medo, por muito que ele ou ela seja diferente, de que tudo volte a acontecer?

Ponto final? Se há amor e sendo ele uma construção a dois de dois, ponto final é demasiadamente definitivo, numa caminhada que pode ser tão produtiva...

Acrescento uma coisa amiga, nos tempos que correm relacionamentos amorosos sofrem muitas intromissões indesejadas, para fomentar tudo aquilo que descreveste ao longo do texto! Pensa nisto.

Um beijinho!

Utena disse...

Dom,

A verdade é mesmo essa, a desconfiança mina, destrói cria brechas e quando isso existe qualquer coisa abala a relação.

Amo-te de volta

Utena disse...

Moi,

O ciúme por mais miudinho que seja é um sentimento destrutivo que nos impede de viver na plenitude aquilo que de melhor nos pode trazer o amor, a verdade da cumplicidade.

Beijo Sereia

Utena disse...

AC,

És como eu, aprendeste cedo a valer-te por ti mesma.
Verdade que gostamos de ser protegidas, se calhar mais do que aqueles ou aquelas que sempre viveram dependentes de... mas protegidas não significa abafadas.
O amor para mim é o criar laços juntos e não destruir a identidade de um.

Beijos minha guerreira

Utena disse...

Alexandra,

Gosto muito de ti como sabes e admiro-te como mulher mas eu não escrevo a espera que gostem ou para agradar ninguém.
Escrevo o que na altura preciso, independente de ser comigo ou não!
Sou como bem sabes observadora de almas, vejo mais do que aquilo que gostaria e sinto em dobro do que aquilo que seria desejado.
Quanto as respostas cá vão:
Na vida quando se começa uma relação é de base, todos temos passado e como a palavra assim diz é passado... de cada um que nada tem a ver com quem estamos no momento. Se não aceitamos o passado de quem nos acompanha não confiamos na pessoa que escolhemos. Pode ser duro para ti aceitar isso para mim é cristalino como água!
Se eu não aceitar o passado do meu namorado como aceitaria a sua filha? Como confiaria sabendo o laço que tem com a ex-mulher?
O amor ou é claro, cúmplice e confiante ou leva mesmo um ponto final no fim sem direito a mudar de linha.
E intromissões sempre existiram, existem e existiram tão simples que até assusta e quando elas invadem a vida de um casal e o corroem? Voltamos sempre ao inicio da cabeça da cobra é porque não existe confiança e sem ela nada se constrói pelo menos nada que valha a pena.

Beijos

dom disse...

E quando eu penso que já cheguei ao topo da escala de admiração por ti e do amor por ti, eis que me surpreendo a mim próprio e afinal a escala cresce à medida que o nosso amor cresce.

AMO-TE, aquele amor que só nós os dois entendemos, que numa troca de olhar dizemos o que ninguém diz, que sentimos sem nos vermos o que ninguém sente.

AMO-TE AMOR !

Utena disse...

Dom,

Isso é porque tu gostas de mim moço!
Eu sou normal namorado igual a todos tantos que apenas não se expressam mas que existem por aí!

Amo-te

dom disse...

Não...tu és especial, só alguém especial tem o entendimento que tu tens...já falamos disso várias vezes. Amo-te não só por me amares, mas por amares também quem amas.
És especial, e não é só para mim, exemplo disso foi este fim de semana!

AMO-TE de volta!

Utena disse...

Dom,

Voltamos ao mesmo.
É o chamado circulo vicioso, cá está o aceitar o passado, passado que apenas posso aceitar porque me abriste as portas para ele certo?
Porque existiu confiança para isso...

Beijo

dom disse...

Porque existiu, existe e vai existir...o que será de uma relação sem confiança?
Como alguém me disse e eu também já o disse e volto a dizer:
Confio a minha vida a ti!

Beijo...

Ps. epa...tenho de ir trabalhar...LOOL

Utena disse...

Dom,

Então alá que alguém tem de fazer o país mexer vamos!

Beijos

Alexandra disse...

Creio que me expliquei mal, quando disse que não tinha gostado do post! 
Gostei do post, só não gostei de sentir que essa é de facto uma realidade muito presente, entendes? 
Aquilo que tu escreves é sentido e não faz do meu género vir dizer seja para quem for que não devem escrever sobre isto ou aquilo looool!

Fiz as questões que fiz porque sabia que as irias responder como respondeste, até porque as mesmas foram buscar algo que cai facilmente no esquecimento (aceitar o outro como ele é e compreender que o mesmo tem um passado). Mas deixa que te diga uma coisa, o passado influencia o presente muitas das vezes de forma inconsciente. Cabe ao casal saber lidar com isso e ajudar a que outro esqueça de enterre ou arrume de forma definitiva esse passado que tanto interfere na forma ele ou ela se relaciona com os outros!

Quanto aos namorados estamos as duas no mesmo barco :) E após mais de dois anos de relacionamento muito aprendi, mas saliento isto: eles dão-nos uma outra forma de olhar o mundo, dão-nos a chave para uma realidade que tantas vezes desconhecemos. Quando isso é transposto para a nossa realidade ficamos com outros dados, com outras perspectivas...

o mundo dos relacionamentos é um mundo complexo e não há muito tempo vi um casal brigar no CTT por causa do telemovel dele, enfim!

Beijinhos!

dom disse...

O Passado só influencia pessoas de pouca capacidade e com espirito e alma pequena...quando se gosta...o passado é isso mesmo...é passado!
Amo-te Paula ! :)

Utena disse...

Alexandra,

O passado influência sim mas a verdade é que as pessoas têm de se capacitar que ele existe hoje e vai existir amanha!
Falta conversa, falta trocar ideias.
Observa, olha em volta quantos casais vês a conversar num café?
Raros são os que estão olhos nos olhos a trocar ideias do dia, muitos os que estão agarrados ao telemóvel a trocar mensagens com os amigos, os tios ou os gatos!
É normal depois vermos cenas tristes por causa de "likes", mensagens ou mesmo troca de ideias.
Nunca peguei no telemóvel de um namorado, com o Domingos já o tive nas mãos montes de vezes não lhe mexo.
Confio nele para não o fazer, confia ele em mim para o deixar!
Confiança acima de tudo,ficar apreensiva porque ele não liga não porque possa estar com alguém mas por possa ter acontecido alguma coisa e ter o sangue frio de sermos nós a ligar.
Falta isso na humanidade, tudo é rápido demais, intenso demais, banal demais... depois culpamos aquilo que não pode ser nem apagado nem remediado.
O passado...
Beijos

Utena disse...

Dom,

Down boy sabes que o passado influência e nem todos conseguem lidar com ele!
Sim?
Danoninho da minha vida

Alexandra disse...

Já vi uma vez esta cena num restaurante:

estava um casal com os filhos, mas em vez de estarem todos à conversa, os pais estavam cada um com o seu ipad na mão e os miúdos a guerrear com o pão! Triste, não achas?

Não vejo onde está o mal de confiarmos neles ou eles em nós para mexer ou guardar os nossos pertences pessoais como um telemóvel! Mas, eu sei, para a grande maioria isso é impensável! Falta de maturidade é uma das causas!

Já enviaram mensagens para mim com fotos do Fernando a falar com pessoas num bar ou numa discoteca... se isto é ridículo? Muito! Mas estou-me completamente nas tintas para isso. O que interessa é aquilo que eu sinto não aquilo que os outros sentem, ou pensam, mijam ou cagam!

O Facebook tem dado muito que falar e ambas já passamos por determinadas situações de gritar aos céus, tirem-me deste filme!

Confiança, dedicação, entrega, devoção, humildade e muito amor, tal como, compreensão! São estas as chaves para um relacionamento sadio e maduro.

beijinhos grades!

Alexandra disse...

Beijinhos grandes, não é grades! lol

Utena disse...

Alexandra,

Já passei por isso várias vezes, na última mandei o pai largar o telemóvel e dar atenção ao filho!
Ele não reagiu porque a minha aparência deve ter sido assustadora.


Beijo

Alexandra disse...

Dom,

há pessoas que têm alguma dificuldade em ultrapassar situações traumáticas do passado... enfim!
Existe de tudo um pouco, mas somente assim há equilíbrio neste mundo tão "irreal".

dom disse...

Alexandra,

todos temos situações traumáticas no passado...mas o próprio nome indica...passado...se deixarmos o passado interferir no presente e no futuro nunca conseguiremos ir em frente.
há que como casal (e falo em mim e na Paula) o entender do passado e aceita-lo, MAS ACIMA DE TUDO olhar para o presente e para o futuro.
E isso implica aceitar o outro com tudo o que implica (no meu caso um "apendice" que a Paula ama e vice-verse e eu completamente orgulhoso).
Mas óbviamente cada caso é um caso, mas já diz o ditado "águas passadas não movem moinhos".

Alexandra disse...

"Apendice"? OMG!

Sei muito bem aquilo que falas e já agora acrescento, o meu companheiro tem três filhos, um passado próprio de um homem de 44 anos e eu porque o amo, no verdadeiro sentido da palavra, aceitei-o!

Individualmente temos os nossos momentos, mas somos o porto de abrigo um do outro. E é assim que deve ser.
Tenho 28 anos, 2metros de altura... o Fernando menos 10 cm que eu, toda a gente olha, toda a gente comenta e várias coisas tentaram fazer, esqueceram-se que nem todas as pessoas são imaturas e que independentemente da idade há gente que já viveu muito e sabe o que sabe na mesma proporção. 

Não te consideres um "apendice", tomara muitos ser metade do apendice que és!

Beijinhos!

Eolo disse...

Juntar alguns dos comentários daqui fariam um post brilhante.

Presunbenta e aguação, há p'raí tanta gente a projectar e depois acha que é intuir.

Beijos Paula

Utena disse...

Alexandra,

O apêndice que o Dom se refere tem 6 anos uma energia do camandro e falta de dois dentes na frente =P

Beijo

Utena disse...

Eolo,

Olha que é uma ideia sim senhor!

Beijos meu loiro

Alexandra disse...

Isso não são apêndices, mas sim, criaturas maravilhosas! Mas eu percebo!


beijinhos!

dom disse...

LOOOOOL ... eu tenho menos quantos cm...ora deixa cá ver ... Amor...é uns 15cm não é ??
Ahhh...mas fico a uma EXCELENTE Altura !

Utena disse...

Dom,

Não te estiques que o macacão esta curto oh Wolverine

Alexandra disse...

ahahahah! Beijinhos aos dois! 

FireHead disse...

E se tiver que ir para tio também não vejo onde está o problema. Antes só que mal acompanhado ou estar com alguém só porque sim.

Utena disse...

Alexandra,

Beijo

Utena disse...

Fire,

Até pode ser mas era sobre isso que o texto falava.

Beijo

Lynce disse...

Tenho para mim que o ciúme é, provavelmente, a arma mais poderosa e eficaz na destruição de uma relação.
Beijinhos

Utena disse...

Lynce,

E tens para ti uma conclusão correcta

Beijos