segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Coisas minhas


Eu tenho completa noção que não sou uma pessoa "normal" dentro do que poderá ser considerado a normalidade nos dias loucos que vivemos.
Mas desde de pequena que me sinto um pouco uma extraterrestre entre os meus pares, não gostava de brincar no recreio, nunca fui dada a conversas sobre "rapazes", roupa ou mesmo sobre criticas em relação a este ou aquele.
Era aquela que passava as horas enterrada nos livros, em conversas perdidas com os professores, a leste do paraíso perdida num mundo só meu, entre divagações sobre temas que nada deveriam interessar uma gaiata pequena, mas que me faziam perder horas a procura de respostas que levavam a mais perguntas... a mais respostas... a mais perguntas ainda!
Continuo assim, adoro perder-me entre o cheiro de um livro novo e as páginas marcadas de um velho amigo que conheço de cor mas que gosto de redescobrir.
Aprendi a minha custa que certas respostas surgem na hora certa e que muitas das perguntas que tenho apenas saberei entender daqui a alguns anos.
No entanto nada se equipara para mim à investigação daquilo que me apetece descobrir mesmo que seja só porque sim... gosto de divagar sobre um tema, de tentar entender o porque de certas ideias se entranharem na cabeça de alguém sem ninguém, aparentemente ter colocado lá a semente que a fez crescer e depois quando já tudo parece fazer sentido, gosto de colocar mais uma pitada de algo no meio que altera tudo... que muda o sentido de um pensamento e que nos faz debater tudo de novo, mudar as peças do puzzle... voltar a tentar descobrir qual o sentido de algo.
Confusos?
Eu disse ali em cima que não era normal... não era retórica mas a constatação de um facto altamente discutido e tido como provado que é certo.
Hoje estava aqui a pensar na teoria das "almas gémeas", maior parte de nós associa o sentido de uma forma bastante simplista... eu própria já o fiz, já andei a procura dela, para depois chegar a conclusão que não era assim tão simples, para me aperceber que até é!
É uma coisa minha, mas a vida ensinou-me que o conceito de alma gémea pouco tem a ver com um casal de apaixonados e no fundo tem tudo a ver!
A alma gémea é aquela que reconhecemos nos olhos de um amigo, de um confidente... de alguém com quem nos cruzamos num café mas que depois nunca mais encontramos nesta vida.
É o reconhecer no olhar de um filho que hoje é filho mas que num tempo passado foi pai...noutro amante...noutro inimigo... mas que pelo decorrer dos tempos,desta roda onde estamos presos esta ligado a nós, tal como nós a ele numa constante aprendizagem que nos vai levar até a chave que nos trará a liberdade de um destino a que um erro grave nos fez prender.
Todos temos momentos de reconhecimento, que os cínicos descartam, os incautos ignoram...os ignorantes gozam...mas que como seres sentimos, nos abalam... nos fazem reflectir mesmo que por segundos.
A alma gémea é o reconhecimento de uma outra alma que sem motivo aparente nos faz despoletar sensações que não deveriam fazer sentido mas que nos deixam assim... com um sorriso no rosto, um embrulho no estômago ou a vontade de tirar satisfações de algo que nem nós sabemos bem.
Mas mais que isso o sopro que nos faz alterar por instantes o sentido certo do nosso dia-a-dia, aquele breve instante que nos faz reconhecer algo no desconhecido é a hipótese que nos estão a dar para nos apercebermos que somos mais que o cinismo que nos inunda todos os dias.
E mais que não seja por isso, porque somos mais que a pequenez que nos envolve, todos os dias pela manha me aflora no rosto um sorriso... daqueles que mostram que mais uma resposta vai ser dada, que me vai levar a outra pergunta... a nova resposta... a novo rodar desta roda que por se manter em movimento faz de mim o que sou.
E isso para o bem e para o mal!
Namasté



14 comentários:

Alexandra disse...

http://www.youtube.com/watch?v=b2_ILTd91OU


fica esta música e um beijo!

AC disse...

Alma gémea é alguém que nos toca coração, e pode ser tão diferente de nós que nos assusta. Quantas vezes na diferença se encontram almas semelhantes. A vida prega-nos demasiadas partidas e gosta de nos pôr à prova.

Beijinho*

Suri disse...

E é por seres assim que eu gosto tanto de ti ;)

dom disse...

as almas gémeas sabem-no quem são :) ... é como o reconhecimento geneticamente de dna :) ... assim como numa troca de olhares se sabe que sempre se esteve com essa pessoa nesta e noutras vidas ... e porque as almas gémeas não tem de ser necessáriamente amantes, e porque não existe exclusivamente uma alma gémea :)
Amo-te, sabes o que digo ! :)

JP disse...

Ora bem. Hoje....será do tempo?

Li e reli o teu texto Fizeste-me pensar duas ou mais vezes. Foi diferente.

Retenho que não gostavas de conversas sobre rapazes (:))) e gostavas de conversinhas com os professores:)))

Depois filosofaste. Alma gémea. Será que isso existe? "A alma gémea é aquela que reconhecemos nos olhos de um amigo, de um confidente... de alguém com quem nos cruzamos num café mas que depois nunca mais encontramos nesta vida". Bem, a última não entendo muito bem, e quanto às primeiras confesso que tenho algumas dúvidas.

Um casal, um companheiro/a da vida sou capaz de concordar, mas hás-de aceitar que não é muito vulgar. Mas existem, sim.

"A alma gémea é o reconhecimento de uma outra alma que sem motivo aparente nos faz despoletar sensações que não deveriam fazer sentido mas que nos deixam assim... com um sorriso no rosto..." pois é, aí concordo totalmente contigo. Mas a minha dúvida mantém-se.

Quanto ao rodar da roda que nos faz o que somos, para o bem e para o mal....espero que seja para o bem. Porque não podemos parar a roda....

Beijo
(Estiveste muito bem)

Utena disse...

Alexandra,

Beijos e obrigada

Utena disse...

AC,

A vida é uma montanha russa que nos leva muitas vezes ao limite!
Mas vale sempre a pena vive-la!

Beijos

Utena disse...

Suri,

Ainda me deixas corada

=)

Utena disse...

Dom,

Sei sim!
O reconhecimento é mesmo esse... o sentir sem se saber porque!
Ou sabendo mas não querendo admitir

Beijo

Utena disse...

JP,

Fiz-te pensar?
Mas isso será bom ou mau?
E diz-me nunca viste nos olhos de outrem a centelha de reconhecimento?
Será mesmo que passamos por este mundo sem deixar nada?
E sim? Gosto de falar com professores, tive a sorte na minha vida de ter bons mestres e belos amigos.

Beijo

Anónimo disse...

Ja encontrei algumas sim... umas passaram pela minha vida marcando-a, outras ainda permanecem :)
Mas o reencontro de almas é de facto muito especial e dificil de explicar.
beijinhos,
OlgaM

Suri disse...

Ora, corada? Nem parece teu ;)

Utena disse...

Olga,

É sim, torna-se único e reconfortante.

Beijos

Utena disse...

Suri,

Eu sou das que fico corada sim!

Beijos