sábado, 31 de agosto de 2013

Meia volta... Volta e meia!

Meia volta, volta e meia afasto-me das lides da escrita...inconsciente ou não, a verdade é que de tempos a tempos a mente fecha-se para as palavras e os dedos recusam-se a percorrer suavemente os caminhos das teclas... nada a fazer contra isso, aprendi vai já para algum tempo a reconhecer os sinais que me dá o meu corpo... a minha mente... a minha alma. Lutar contra isso é saber à partida que será uma batalha perdida, recheada de frustrações e duvidas. Por isso quando se aproximam de mim estes momentos mais introspectivos e menos literários (modéstia a parte)... mais focados em mim e menos no mundo exterior...recolho-me e deixo que a cura... o recarregar se faça por si só!
O engraçado é que nesses momentos de total aparente alienação é onde me encontro mais ciente do que me rodeia...física...mental e espiritual... quase como se me sussurrassem verdades a muito perdidas no tempo e apenas o facto de estar ausente do mundo mas permita ouvir...é também ironicamente o tempo que me sinto mais cansada... com menos força anímica... quase com um desejo sobre-humano de hibernar e isolar o mundo... de o fechar fora da minha caixa! O facto de não o poder fazer na sua totalidade faz com que passe por momentos de total e completa luta constante onde mais uma vez a ferida sou eu... a derrotada pelo cansaço que se instala e que leva tempo em demasia a partir.
Mais irónico ainda? É nestes momentos que me reencontro, que me reconheço... que cresço... que vejo portas que se podem abrir e que muitas vezes as fecho sem pelo menos ver de relance o que por detrás delas se esconde...
Aprendi a aceitar-me assim, estranha, complexa... aceito os outros que me rodeiam... exijo que o façam comigo... nem sempre acontece! Culpa minha muito provavelmente que permiti muitas vezes demasiadas intromissões na minha vida... aceitei opiniões que não queria... ouvi conselhos que não pedi...devia ter mandado mais vezes muita gente apanhar onde não entra o sol... ao em vez sorri enquanto controlava a fera interior que ansiava por sangue para despedaçar quem não me apetecia ouvir... amigos... confidentes... interesseiros... gentinha mesquinha que anseia apenas por controlar quem esta a sua volta...
Hoje deixei-me disso... por isso quando a volta e meia... meia volta... este momento aparece? Recolho-me na essência do que sou... e mantenho complicadamente positiva de que vai passar e volto mais conhecedora de mim e do que sou.
Por isso estou de regresso a meio gás!
Namasté



4 comentários:

AC disse...

O teu corpo dita o teu ritmo, não podes nem deves lutar contra isso, precisas de equilíbrio de paz interior e só assim encontras o teu verdadeiro eu.

Aceito-te como és, as tuas ausências, o teu ritmo próprio, as tuas zangas, as tuas fúrias sopradas. És a Utena guerreira a quem ninguém fica indiferente, ou se gosta, ou se detesta.

Beijooo
Bom fim de semana, descansado se possível.

Alexandra disse...

Se todos tivessem a capacidade de parar e observar o que os rodeia, teríamos sem dúvidas vivências muito mais saudáveis e menos frustrantes! O poder de análise é uma tocha que nos guia rumo à felicidade interior!


BEIJINHOS! ;) (Foi mesmo com intenção de se ouvir o beijinho nos Alpes ihihih)

Utena Marques disse...

AC,

Aprendi a ser assim mesmo a custa de muitas lágrimas e cabeçadas...

Beijos

Utena Marques disse...

Alexandra,

Beijinho