domingo, 21 de novembro de 2010

Pequenos momentos


Sou amante de pequenos momentos, daqueles que de tão pequenos e especiais que são cabem numa gota de orvalho… essa maravilha límpida da natureza e que se podem guardar no coração.
Não gosto de grandes demonstrações, enormes eventos, são grandes de mais e acabamos por nos perder na magnitude exagerada que eles nos trazem… Não! Gosto dos pequenos que nos permitem observar, absorver e memorizar tudo o que vale a pena…
Momentos especiais, rodeados por locais especiais e pessoas especiais…nem que seja uma pessoa única! Eu!
Acho que para mim…acho não tenho a certeza que para mim funcionam muito como o mercúrio que quando entra em contacto com o ar se separa em pequenas e perfeitas gotas e que depois se entregam umas as outras formando uma maior… mais redonda e com menos falhas do que aquilo que teria acontecido se tivesse sido criada de raiz.
A vida para mim é assim… recheada por esses perfeitos momentos, felizes ou infelizes… de raiva ou amenos… de energia ou letárgicos que depois se forma num todo perfeito que nos fazem muitas vezes parar, e do nada nos coloca um sorriso na cara, uma lágrima nos olhos ou um levantar de sobrancelha quando nos afloram a memória.
Ao contrário do que muita gente que me conhece pensa, já fui em tempos a minha pior inimiga, detestava o meu reflexo ao espelho, a verdade é que a evolução da minha vida, a aprendizagem crescente, as bofetadas que levei fizeram-me dar valor ao que sou como mulher e como ser humano!
Sou hoje em dia, sem falsas modéstias nem parvos pressupostos uma óptima companhia, para diversos momentos… sejam eles dos mais diversos tipos… nas mais diversas ocasiões… desde de que pequenos.
Ontem foi mais um desses dias! Sai, fui jantar a Marina de Oeiras… Adoro o lugar, com gente que convivo pouco… num acto irreflectido em resposta a um pedido sincero de companhia. De despedida. Um momento especialmente intimo onde rimos, dissemos bacoradas…ouvi confissões… Perdi a noção do tempo!
Hoje recebi uma mensagem de manha a dizer que adoraram a minha presença extra ginásio (o pessoal é do ginásio que frequento e que fora uma Boa noite e uma brincadeira na aula pouco falo), e dei por mim a pensar… È ainda existe pessoas a quem pequenos momentos fazem falta e que me proporcionam a mim outros pequenos momentos para esta gota perfeita que é a minha vida!
É como uma frase que ouvi ou li um destes dias de cujo autor desconheço e que transcrevo como uma conclusão a este meu texto domingal (gosto da palavra mas não sei se é usada):
“A beleza de um jardim não depende do tamanho das flores, mas da variedade do seu colorido, assim, a felicidade não depende de grandes alegrias, mas da variedade de muitos e pequenos momentos felizes que colhemos ao longo da vida.”
Vale a pena sermos coleccionadores desses momentos…

6 comentários:

TILIDA disse...

Claro que és uma óptima companhia!
Alguma vez duvidaste disso?
Vou jantar...mas volto que ainda não acabei o comentário.
Até já!

M. disse...

Um enorme pequeno momento o teu texto!

Li e ainda dura.

No teu jardim de flores não te esqueças das ervas...

Utena disse...

Tilida as vezes tinhas as minhas duvidas... algumas existenciais ainda moram por cá...
Espero que a janta tenha sido boa...
Bjo

Utena disse...

Olá M.
Nunca me esqueço das ervas... dão um toque ao jardim que sei elas nunca estaria completo...
Obrigada pela tua sempre presença e maravilhosas palavras
:)
Bjo

Mega disse...

As nossas memórias são sempre uma colecção de momentos maiores ou menores em termos absolutos mas sempre pequenos em termos relativos.
Guarda sempre essas boas memórias contigo tal como eu guardarei sempre as memórias que me tocam e tu tambem delas fazes parte.
Um beijo para a memória

Utena disse...

Sem dúvida Mega, as memórias são um bem preciso e que temo perder.
Também fazes parte das minhas... tens um local reservado e especial
Beijos