segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Relógios Biologicos

Não posso deixar de achar engraçado, essa história do relógio biológico, talvez por ainda não o ter sentido, mas quando a questão começa a ser posta de outra forma, ou seja por outras pessoas que se preocupam com ele mas não com o delas com o meu, a situação tende a mudar drasticamente e passo do achar engraçado ao ficar fula da vida num estalar de dedos!
Nunca entendi essas estúpidas convicções da sociedade com relação as mulheres, embora acredite que também as exista para os homens, costuma-se dizer que quem dói o dente é que vai ao dentista e eu neste momento falo do género feminino!
É impressionante, os rótulos, que as mulheres podem ter senão vejamos:
>Se és inteligente és aborrecida...
>Se és bonita és burra
>Se tens dinheiro não é porque trabalhes é porque te sustentam
>Se não tens filhos/marido/namorado alguma coisa de MUITO errado se passa contigo.
A sério, parem com isso o tempo das encalhadas, já passou a muito e nem a minha avó já acredita nisso.
E depois ainda temos as mulheres que se queixam do lado machista dos homens enquanto que na realidade, se ele existe foi muitas vezes incutido nos filhos por elas mesmas, acham que não?
Então reflictam sobre isto:
>Se é a filha que chega tarde querem ligar a polícia, se é o filho é normal e não se preocupam muito com isso!
>Se a filha tem muitos pretendentes é uma vadia, se e o filho é um garanhão!
>Se a filha chora por algum motivo é uma histérica se é o filho é sensível!
Enfim entre estes temos múltiplos exemplos sobre as ideias retrógradas e antigas que temos de levar no nosso já por si tão cansativo dia-a-dia!
Não quero com isso dizer que somos todas iguais, longe de mim, já exemplos do contrário tenho tido alguns, mas a grosso modo há que concordar que são casos raros.
Dou por mim várias vezes a pensar cá para os meus botões o porque da necessidade que estas "senhoras" sentem de nos ver casadas e com filhos a tiracolo e a pergunta que se coloca sempre, desculpem-me a cabriçe, é elas estarão infelizes da vida assim, que sintam a vontade de ver as outras no mesmo barco ou querem mesmo é despachar a encomenda do marido? Quer dizer a verdade é que raramente ouço falar maravilhas do casamento e até eu que nunca fui casada sei que o casamento é uma decisão para ser tomada após ser bem pensada!
E quanto aos filhos, acredito que seja de facto a melhor coisa do mundo, mas nós temos de estar com os 5 sentidos virados para eles, para depois não acontecer como tantas vezes ouço pretensas mães dizerem que destruíram as vidas por causa deles, aí não posso deixar de continuar a pensar da mesma forma!
"Por enquanto o relógio esta sem pilhas deixem o estar assim que esta bem!"

10 comentários:

M. disse...

Mulher sofre! (verdade que também faz sofrer).

O papel da mulher (que lhe atribuem e que ela se atribui) é único. Porque única é a mulher.

Não tenho uma visão maniqueísta sobre o assunto.
Já vi mulheres que mais pareciam homens e vice-versa...

Não existe isso de "as mulheres"...existe uma mulher, mais outra, e outra, etc...

Há características comuns, papeis atribuidos/impostos...mas cada uma age de per si...

No fundo há seres humanos, únicos, independentemente do género, idade etc...

Cabe a cada um de nós sermos o que somos e agirmos en conformidade. No respeito por aquilo que...somos!

Pronto...lá estou eu a divagar...

Utena disse...

E a divagar muito bem!
Sabes o que eu acho que no meio da locura que existiu ao longo das épocas a mulher deixou no fundo de saber ser mulher!
Mas valha-nos as Mulheres que ainda existem e não as mulherzinhas que por ai proliferam!

Ana disse...

Olha que tu se me enervas!Loool
Verdade que é muito provável que mais dia menos dia, ouças o tic-tac do relógio. Eu também pensava da mesma maneira, até que o consegui ouvir distintamente. Mas, ser mãe, esposa, namorada ou outra coisa qualquer é, sem duvida alguma, uma opção pessoal. E mais ainda, se um dia decidires que queres ser mãe, toma essa decisão contando contigo mesma, como uma responsabilidade tua, uma missão para o resto da vida. Uma missão de amor, aconteca o que acontecer. Porque os dias de sol muitas vezes, acabam mais cedo do que nós pensamos, mas os filhos continuam, estão lá sempre. E já agora,escolhe um co-progenitor á altura, se faz favor.
Ah, e essa de os filhos estragarem a vida das mães, acho que é mais ao contrário. As mães que pensam dessa forma, é que estragam a vida aos filhos.

Beijos maternais e para além do tempo (biológico ou não).

Utena disse...

Adoro mana!
Só tu para me pores um sorriso estupido na cara

Mega disse...

E depois de tudo ler só digo duas coisas:
Cada qual com o seu relógio.
E tu miúda continua a ser como és e decide sempre o que achares melhor para ti.
Assim é que eu gosto de ti e concordo com o que escrevestes uma óptima análise.
Beijos de apoio

Utena disse...

Tu sabes que no fundo eu sou como os malucos digo tudo
beijos

Carrie Bradshaw disse...

Querida....percebo-te tão bem! A mim já me chegaram a perguntar se seria lesbica porque solteira aos 33 anos sem filhos e sem o relogio biologico aos gritos...aparentemente parece que sou uma anormal.

Não compreendo onde é que vem escrito que somos menos mulher por não termos filhos ou estarmso casadas. A agravar é que conheço muito poucas mulheres casadas com filhos tão felizes quanto eu!

E o relogio biologico é um mito puro....as pessoas têm filhos porque "está na altura" e não porque o necessitam emocionalmente como forma de prolongamento do amor que vivem...eu só tive vontade de ter filhos uma vez, há muito tempo porque amava tanto aquela pessoa que sentia que o envolvimento fisico era insuficiente, precisava de mais dele em mim, na minha vida, dentro de mim...e acho que só assim faz sentido ter filhos...caso contrario acho uma aberração as mulheres querem ser maes porque sim? especialmente aquela sque me dizem...só estás realmente completa enquanto mulher quando fores maes... e a minha resposta é: conheço muito poucas mulheres que ocnitnuaram a ser mulheres fortes, interessantes e carismaticas depois de terem sido maes. 90% deixa de ser mulher e passa a ser mae...e há que convir que falar de frandas, actifed, biberons e narinel e percentis é o maior turn off do mundo, antes estar numa mesa com homens a falar de bola e sexo...pelo menos na parte do sexo nós podemos opinar! é desgastante conviver com mulheres que só falam de filhos bebes e infantarios! deus me livre e guarde!

Utena disse...

Ola amiga Carrie,
Já sentia falta das tuas visitas. Não posso concordar mais contigo!
De facto ser mais parece uma caracteristica para a mulher deixar de ter personalidade e isso so não acontece quando o desejo de ser mãe deixa de ser biologio ou social e passa a ser espiritual
beijos

Anónimo disse...

Sou homem, gosto de sexo, assumo, mas posso dizer que aos 36 anos, já o relógio "biológico" já funcionou, já tive o desejo de ser pai, já não penso muito nisso, tive o bicho cá dentro, não sei explicar, continuo a adorar crianças, mas falta-me a mulher, falta-me a "tal", a "tal", já a conheci, já a amei, já a perdi, já é mãe e mulher de alguém que não foi tão burro quanto eu, se existe outra "tal", dizem que sim, eu não me acredito, a história do relógio, já veio e já foi, resumo, estou sozinho, junto com a minha gata Farrusca, a viver um dia de cada vez, a viver a vida do resto da minha vida..

Utena disse...

Anónimo,

Erramos… isso é ser humano. Assumir que erramos é que é mais difícil!
Mas nada como viver um dia de cada vez… e saber viver com aquilo que somos e no que nos torna-mos… assim é muito mais fácil sermos aceites.
Beijo