quinta-feira, 24 de março de 2011

Fidelidade a ultima das mentiras piedosas

Vivemos em tempos estranhos… onde as coisas não estão nos devidos lugares… deixou de haver certezas… deixamos de saber com o que podemos contar!
Na vida tal como em tudo, vivemos em contastes mudanças… em plena rotação… o que era certo ontem deixou de ser hoje mas isso não significa que não o volte a ser amanha.
Confusos?
Nada na vida é garantido… nada deverá ser dado como certo… Na realidade apenas uma coisa é … mais cedo ou mais tarde e isso é a morte!
Entretanto devemos viver e marcar a presença neste espaço que tão generosamente nos foi cedido da melhor maneira possível!
Desde de que voltei a integrar na minha rotina diária a meditação tenho sido inundada com pensamentos que vem e vão e me fazem raciocinar de maneira diferente… Melhor!
Não de maneira diferente, mas de uma forma mais profunda e mais intensa!
Ao contrário do que a maioria das pessoas poderão pensar a meditação não elimina pensamentos… não esvazia o cérebro… funciona como o arado… deixa a terra pronta a ser cultivada e a receber melhor as sementes.
Com tudo o que se tem passado politicamente, socialmente e financeiramente neste país, dei por mim a pensar em infidelidades.
Não acredito que sejamos sempre fieis… não confio cegamente na fidelidade de ninguém. Chamem-se descrente, fria ou cínica mas a verdade é que não podemos ser fiéis a ninguém se não o somos com nós mesmos!
E não somos… fidelidade é algo raro no carácter de um ser humano hoje em dia!
Façam um simples teste e tirem isso a limpo… pensem nas pessoas que vos são próximas, amigos, colegas, namorado/a, familiares… e tentem lembrar-se se alguma vez essas pessoas foram 100% fieis a si mesmas! Aos seus desejos, vontades ao que pensam… ao que sentem!
Eu contra mim falo… existiu alturas na minha vida que tive de ir contra os meus princípios, que tive de negar o que sou… se valeu a pena? Não! Apenas deixei de ser o que e quem era e isso mais tarde fez-me ter nojo de mim mesma!
Não aceito infidelidades… porque não aceito mentiras… apenas por isso!
Não as julgo… não as critico… e se  as compreendo é porque quando são praticadas não estamos ser fieis com alguém mas estamos a ser com nós mesmos e isso não  me deixa desiludida… o que me deixa fula é a mentira que envolve a infidelidade!
Não somos donos de ninguém… tal como não pertencemos a ninguém… somos regidos por impulsos… por vontades… por desejos que não controlamos….
Ouvir alguém bater no peito e dizer “Eu nunca…” dá-me vontade de rir… são os primeiros a cair!
E agora estão vocês a pensar que tem isto a ver com a situação política do país certo?
Tudo e nada:
Por um lado os pensamentos tal como a areia não se conseguem segurar e escapam por entre os dedos e uma coisa leva a outra…
Por outro, no estado que o país está onde estamos a ser constantemente f@didos a traição… onde as infidelidades são mais que muitas não posso deixar de pensar que se fossemos mais fiéis ao que queremos… ao que sabemos ter direito isto não chegava onde chegou!
Por isso espero que tenhamos aprendido… absorvido… digerido…
E que apostando no que se ouve por aí dizer… as criticas que toda a gente se empenhou a fazer… não coloquem lá o Amigo Pinóquio outra vez…
Porque aí fielmente posso virar-me para vocês e dizer:
“Se fossem todos para a c@na da tia e o car@lho do tio é que faziam bem!”
E isso sem por um segundo ter deixado de ser como sou!
Fiel a mim antes de tudo… antes de todos

9 comentários:

M. disse...

Afinal és fiel:)

Sou fiel. E nem me passa pela cabeça não sê-lo.

Não gosto de mentir e tento não mentir. A infidelidade seria uma traição a mim próprio e isso nunca o farei.

Há pensamentos e divagações. Haverá...Mas não será por aí que o conceito de fidelidade será posto em causa.

Uma questão de respeito pelo outro e por mim próprio...

Demodé? Que se foda. Sou assim! (desculpa mas não sei por o @...lol

Utena disse...

M.
Se não sabes eu ensino-te se quiseres... queres?
Quanto a fidelidade e infidelidade as pessoas tendem a associar a algo entre casal... mas para mim é tão mais que isso!
Mas como sempre chegaste aonde eu queria ir!

BTW de Demodé não tens nada...

TERESA SANTOS disse...

Fidelidade igual ao respeito de principios, valores, compromissos?
Fieis a nós próprios? Quantos existirão?
O Pinóquio?!
Não me espanta nada que seja reeleito.
Além de não termos capacidade para respeitar principios, tornámo-nos um povo estúpido, com laivos de masoquismo.
É a única explicação!

Utena disse...

Teresa,
Deixamos de saber respeitar espaços, territorios e ideias...
Fieis a si próprios existem meia duzia... devemos estar em vias de extinsão...
A verdade é que o povo continuo pacifico e ignorante! A união deixou de ser um dever...
Passou a ser dever o que era direito...
Enfim

ROSINHA (tilida5ever design) disse...

Gosto do teu conceito de fidelidade...Alargado e abrangente!

ROSINHA (tilida5ever design) disse...

Porque razão escolheste um livro e uma rosa?

Utena disse...

Rosinha,
Fidelidade é tudo e não é nada...
O livro e a rosa?
Porque a rosa significa segredo e o livro pode ser um dos mais fieis amigos que podemos ter.
Encara a imagem como o segredo fiel que pode ser um diário
Beijinhos

Isabell Culen disse...

Gostei, mais uma vez do que escreveste.
Somos sempre infieis em alguma parte da nossa vida, sendo com nós mesmos, com outros, ou com a pessoa que nos é mais chegada.
Em termos politicos, deveriamos ser fieis ao nosso país e ir toda a gente votar, pois o não ir é simplesmente um acto de infidelidade ao que chamamos " a nossa casa".

Utena disse...

Isabell,
Não se consegue ser fiel quando faltamos a nós mesmos com a palavra a verdade é esta mesmo...
Beijinho