quinta-feira, 9 de junho de 2011

O quadro



Sempre a tinham visto como a forte do grupo… a durona insensível a quem nada choca… nada perturba!
Hoje não era excepção e por isso lá estava ela sentada no meio do grupo, martini na mão olhos semi-cerrados enquanto observava e indagava com a mente perspicaz cada elemento que componha o ramalhete da noite…
Suspirou enquanto passava a mão no cabelo num jeito já característico seu… parou com os dedos nos ombros… ainda não se tinha habituado a sentir o cabelo curto e rebelde junto á cara!
A sua mãe adora o seu cabelo… encaracolado…indisciplinado! Tudo o que a podia caracterizar nos seus momentos mais acessos!
Suspira enquanto pensa que não devia ter pedido a bebida, há já um bom par de horas que não comia nada e o álcool em comunhão com o seu humor de hoje não anunciava nada de bom!
Tentou focar as conversas que giravam na mesa, quase sendo capaz de as acompanhar mesmo não estando atenta 90% do tempo em que se tinha sentado!
O casal maravilha lá estava alheio a tudo e a todos no seu mel que só por si daria dinheiro a metade dos dentistas no país pelas cáries que causava… A Sandra no seu vestido femme fatal vermelho escolhendo como quem encomenda o jantar a lá carte… decidindo quem seria a vitima da noite… o Rui no seu ar cão abandonado com as atenções centradas nela…
Deu por ela a sorrir… ou quase… um apenas subtil arquear de lábios.
- Quando foi que se tinha tornado tão amarga e sarcástica?
Levantou os olhos e forçou-se a prestar atenção ao grupo… se tinha tirado o cú de casa para ir a pequena reunião o mínimo que podia ser era sociável…
Sentiu como um pequena queimadura na sua nuca quando elevou a cabeça… olhou para trás e na entrada principal lá estava ele!
Ela não era uma mulher baixa mas ele era mais alto que ela uns bons 10cm… um homem que emanava poder apenas na posição em que estava olhando e perscrutando a sala… Não era feio definitivamente… nem bonito. Aliás bonito era uma palavra vã para ele mas deixava marca… talvez porque o verde brilhante dos seus olhos estivesse rodeado por espessas pestanas o que o tornava mais perturbador ainda!
Virou-se para a frente e deu por ela que a mesa estava silenciosa…
A Sandra antecipando a comida da noite assumiu o seu olhar matador e sorriu na direcção do desconhecido…
Pousou o copo e suspirou… é verdade que há coisas que não mudam… mas porque será que estava tão farta de estar ali… a sala estava a sufocá-la e a dor de cabeça que se lhe tinha posto de repente não ajudava em nada!
Abanou a cabeça… só o simples gesto deixou agoniada e com tonturas… levantou-se e disse:
- Desculpem mas vou ter de me ir embora. Não me sinto bem! Devo estar com algum indício de gripe!
-Fica - dizia o Rui – Tu nunca tens nada e de certeza que aguentas o resto da noite a fazer-nos companhia!
A gota de água que faltava… deu por ela a explodir numa gargalhada histérica enquanto dizia entre dentes:
-Olha lá achas por acaso que sou algum robô? Aqui o único que faz fretes para ver se apanha migalhas do chão aos pés da Sandra não sou eu!
Sentiu-o a encolher mas foi mais forte que ela!
Virou-se para a mesa do alto da sua força… olhou para todos com a força assustadora que poderia as vezes ter os seus olhos castanhos e disse numa voz fria e cansada… sem sentimento algum:
- Convidem-me quando tiverem chegado a conclusão que eu sou uma mulher! E não um saco e pancada ou um verbo-de-encher!
Agarrou na sua mala e saiu… a cabeça a pontos de estoirar… a visão turva! A mente perturbada…
Elevou a cabeça e deixou a chuva limpar os vestígios sufocantes do interior do restaurante…
Amanhã - pensou – Amanhã ligo e resolvo isto! Hoje não me apetece!
Ouviu a porta a abrir e virou lentamente para ver quem teria sido o suicida que tinha ido no seu encalço… provavelmente o Mário… era o único que tinha suficiente sangue-frio para isso!
O choque deixou-a sem palavras por breves instantes… do outro lado os olhos verdes olhavam-na… analisavam-na fazendo-a ter noção que a camisa branca não era a indumentária perfeita para uma noite de chuva.
Levantou os ombros e disse:
- Que foi? Tenho o nariz sujo?
- Quero-a pintar– respondeu o desconhecido – Chamo-me Mauro! Quero retratar a sua alma! Permite?
Ela deu por ela a rir… a sério só o ridícula da situação não a fez manda-lo á fava enquanto o diabo esfrega o olho!
- Pintar-me? A mim? E porque já agora?
- Gosto de desafios permite?
Suspirou e pensou que se lixe… literalmente que se LIXE com F… estou farta de que estejam sempre certos daquilo que podem pensar de mim mesmo quando me estoura a bolha!
- Ok! Onde e quando?
- Agora! Tenho o material no carro! Vamos para o hotel a frente…
- Muito bem! Indique o caminho!
Subiram ao quarto silenciosos… cada um embrenhado no seu pensamento… entraram e ele disse…
- Dispa-se e deite-se na cama… relaxe apenas preciso de a ver sem qualquer elemento que me impeça de lhe ver a alma! Ignore onde esta e quem é… deixe-me revelar a sua natureza!
Não sabe bem quando mas adormeceu passado 2 minutos ou duas horas… acordou na manhã seguinte tapada com uma nota na mesa de cabeceira…
“Incrível como por detrás da armadura de uma guerreira nasce um anjo! O quadro é seu. Obrigada por me ter deixado pinta-lo!”
Levantou-se enquanto enrolava o lençol ao corpo nú… caminhou leve… destapou o quadro e viu-se… nua… bela… das costas umas asas… nos seios segura com uma mão uma rosa! Cabelos longos e soltos…
Riu-se pensando… não fui só eu que ainda não me habituei a deixar de os sentir nas costas!
Saiu e enfrentou o dia com o quadro debaixo do braço. Dirigiu-se ao carro quando levou a mão a carteira pegando no seu telemóvel marcou um número esperou uns segundos e ouviu a resposta do outro lado:
- Olá Rui sou eu… em relação a ontem….

8 comentários:

Anónimo disse...

Adorei! Continuas a escrever muito muito bem, transportando-nos para dentro da história com as tuas palavras :-)
Espero que continues a escrever e a proporcionar-nos estes momentos de evasão (para dentro das histórias). Obrigada!

OlgaM

Utena disse...

Olga,

Obrigada pelas palavras...
Fico uma babada assim =)
Beijinhos

CF disse...

Utena
e antes que me vá de fim-de-semana e perca a oportunidade de te dizer o que tenho para dizer...está magnífico, o teu texto. Tem "alma" esta história e faz-nos reflectir que, por detrás de um corpo, uma aparência, existe algo de mais profundo que só quem olha consegue ver, ou só vislumbrar...
Parabéns...
PS: vai buscar a babete, porque mereces...lolol

Utena disse...

CF,

Já estou com o babete posto... agradeço os elogios são muito especiais para mim.
De facto muitas gente julga a capa pelo livro... é pena!
Bom fim-de-semana.

beijinho

Nokas disse...

Adoro ler-te, já sabes isso...envolve-nos na história de um modo surpreendente!

M. disse...

Tens tudo para o livro. Trata da capa!


Muito bom. Quantos lados tens tu?

lol

Utena disse...

Nokas,

Obrigada pela presença constante e pelas palavras sempre carinhosas.

=)

Utena disse...

M.

Acho que para um livro é preciso mais que sonhos espalhados ao vento...
Lados tenho muitos que conheço e tantos que faltam descobrir!

=)