quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A indefinição da indecisão


Em tempos de agora a vida é vivida de uma forma rápida… quase automática onde temos de tomar decisões precisas e rápidas nos mais diversos aspectos.
É difícil conseguir parar e cheirar as flores, aliás não é por menos que a doença do século seja a depressão que muitas vezes nada mais é que uma consequência de não se conseguir parar por um tempo e absorver aquilo que nos está a acontecer em diferentes vertentes.
E embora eu seja alguém ponderado, que observa mais do que fala… que analisa antes de agir se existe coisa que me faz aflição são as indecisões.
Os ses… ou em vez de… fazem-me alergia até a alma (e olhem que ter de coçar a alma é uma carga de trabalhos)
Mais confusão me faz, eu que muitas vezes fico de fora a assistir as indecisões alheias, é saber o que vão perder e nada fazerem para o evitar.
Ao longo dos meus 33 anos de vida (ai estou velha) perdi demasiada coisa pelas indecisões que o facto de ser tímida me travaram de agir… sim eu sou tão tímida que dói… daquelas de ficar vermelha e tudo (bonita visão) … e custa-me ver as pessoas hoje em dia ainda com esses sentimentos… esses medos absurdos do que pode acontecer ou do que pode surgir.
O ser humano é por norma um ser dramático e pessimista… eu assumo essa sensação ao contrário… ora se o não está garantido e o sofrimento a espera numa prateleira a ser usado porque não arriscar… o pior já estamos á espera… se vier o melhor não é de todo tão mais aproveitado?
E mais do que aquelas indecisões das Barbies e Kens que infelizmente me acompanham no meu dia-a-dia que se cingem a:
“-Ponho a franja para a esquerda ou para a direita… como o pepino ou almoço ou a curgete… levo a sombra azul meia-noite ou azul madrugada… as riscas verticais fazem-me mais ou menos gorda que as horizontais!” e isto não é exagero nenhum (pronto talvez um bocadinho mas muito pequenino) as que me magoam a alma são aquelas que decidem de facto a nossa felicidade.
Esta passagem é tão curta, mesmo que se volte cá outra vez, que deveria ser aproveitada ao máximo…
Ver as pessoas infelizes no trabalho que não gostam… sozinhas porque não estão com quem amam… macambúzias porque tem medo do que as suas decisões iram repercutir no amanha faz-me sentir desesperada e muito preocupada com o dia de amanhã.
E se formos a ver muitas das nossas indecisões influenciam a vida de quem nos rodeia…
E ainda a pouco falava com uma amiga que mais que amiga é irmã de coração sobre essas indecisões e quando elas entram no campo das relações… vivemos com a indecisão do que fazer quando ela acaba para ultrapassar o sofrimento e a magoa que ela deixa… desejosas de que algo mude e faça com que a pessoa que gostamos entre de novo na nossa vida… e quando isso acontece… com a indecisão se deveremos ou não aceitar com medo de sofrer de novo… de nos olharmos ao espelho e chamarmo-nos estúpidas a nós mesmas por mais uma hipótese… e não vive-la não fará de nós verdadeiramente parvas de termos deixado passar momentos de felicidade na nossa vida?
Indecisões e decisões… caminhos a tomar… sofrimentos a evitar… viver a vida com medos e receios… viver a vida pela metade. E depois chegar ao fim olhar para trás e chegar a conclusão que o que aconteceu foi que não vivemos… saltitamos entre dias bons e dias maus… mas não os aproveitamos na realidade.
Nada está certo a 100%... de garantido temos zero então porque viver a vida enterrados nos ses?
Porque não apostar em nós… no que nos faz feliz… se der errado não vale a pena chorar porque erramos…devemos sorrir porque aprendemos… evoluímos…crescemos!
No fundo?
Vivemos…
"Toda decisão que você toma - toda decisão - não é uma decisão sobre o que você faz. É uma decisão sobre Quem Você É. Quando você vê isso, quando você entende isso, tudo muda. Você começa a ver a vida de um modo novo. Todos eventos, ocorrências, e situações se transformam em oportunidades para fazer o que você veio fazer aqui."
 (Neale Donald Walsch)
Namasté

16 comentários:

Nokas disse...

Nem imaginas o quanto este texto mexeu comigo...um dia falo-te de mim :)

Utena disse...

Nokas,

Terei todo o gosto em te ouvir ou ler =)

Anónimo disse...

Pois é, indecisões, viver nos sses... detesto... quando há um se tento, atiro-me... sem rede.... parto-me todinha... e ainda espero o melhor das pessoas... não vivo nos ses, vivo na esperança que o meu arriscar dê algum dia frutos positivos. Vivo ou tento viver de acordo com a máxima "as acções ficam com quem as pratica", mas quando respigam em nós atiradas por quem gostamos custa, ah se custa!!
AInda assim o meu conselho é arrisquem... porque apesar de ser dificil, mais difícil é pensar no que poderia ter acontecido se...

Beijos grandes,
OlgaM

Sharky JP disse...

A vida é cheia de coisas boas e más, no momento escolhes o caminho que achas correcto, ou não. Tu decides e o resto toma o seu curso.
Pensar demasiado nas coisas por vezes trás consequências, libertar a alma e seguir o sentido é o caminho a tomar.
Vive e deixa viver ;)

M. disse...

Tu um dia editas um livro sobre a vida:)

Se te decidires:)

FireHead disse...

“Viver feliz é uma questão de decisão do hoje, aqui e agora”. (Pe. Paulo A. Rodrigues)

Eva Gonçalves disse...

Mas se entretanto nessa indecisão, não reconheçemos os mesmos erros e os mesmos padrões de comportamento... arriscamos, voltando atrás, perdendo também, uma oportunidade para evoluir e aprender com os erros do passado... ou não... :) o problema maior é precisamente identificar que estamos cá para aprender... e crescer... e como dizes, viver... :)) Beijinhos

Utena disse...

Olga,

A vida é mesmo assim... cheia de nódoas negras, de percalços... de entraves.
Mas isso que dá cor... que dá gosto.

Beijo gosto muito de tu

Utena disse...

Sharky JP,

Isso sim é importante... viver e deixar viver... bem limpo e de consciência tranquila

Utena disse...

M.

Tomara eu ler um que me tirasse as dúvidas =)

Utena disse...

Fire,

O problema é os medos que muitas vezes nos assolam

Utena disse...

Eva,

Corremos sempre esse risco... mas se não o corrermos não vivemos

=)
Beijo

CF disse...

Amiga
nunca encontrarás um livro que te tire as dúvidas...pelo menos um melhor do que a própria vida!
Vive e verás :)))
bjs

FireHead disse...

Para superar os medos existem os amigos:

"Não devemos permitir que alguém se afaste de nós sem se sentir melhor e mais feliz." (Madre Teresa de Calcutá)

Beijinhos. :)

Utena disse...

CF,

Desisto da busca?
Ai prontos está bem centro-me apenas na vontade de viver a vida intensamente

Beijinhos

Utena disse...

Fire,

Os verdadeiros, que estão lá sempre mesmo que não fisicamente e nos mostram até onde pudemos ir.

beijinhos