segunda-feira, 23 de abril de 2012

Testemos e vejamos os resultados


Certas coisas intrigam-me, outras aborrecem-me… algumas já passaram a fase de me deixarem irritada. Aliás confesso que hoje em dia pouco coisa me irrita…entrei naquela etapa do “encolhe os ombros e caga de alto com certas atitudes”.
Fico contente numa coisa, ainda me magoa certas palavras… não sou capaz de ignorar tanta gente como gostaria e isso faz de mim…para o bem e para o mal…mais humana!
Mantenho no entanto o que decidi no início do ano… mesmo que com isso me tenha assolado desagradáveis surpresas… algumas esperadas…outras bofetadas na cara de um alerta sonoro que apenas nos entranha no espirito quando são de tal maneira dolorosas que nos infecta a alma.
Aprendi também a começar a ler nas costas dos outros as minhas… não que já não soubesse mas aquela teoria idiota que tendemos a ter, que com certas pessoas isso não acontece, são puras historinhas de encantar, que se contam para adormecer crianças que ainda vêm as amizades e o caracter das pessoas como benevolentes…imutáveis…puros e fieis.
Mudar o letreiro da minha vida de “Open 24H” para “estou cá para ti… mas lembra-te que também preciso” foi sem dúvida um alerta para a verdadeira realidade do que se passa no mundo hoje em dia… apenas és precioso quando estás disponível a qualquer hora…por qualquer custo… sem questionar… e quando isso não acontece seja por que motivo for… és taxada como insensível ou melhor ainda como má amiga e péssima companheira!
O cinismo disto tudo nem tem a ver com o facto de ser ou não verdade… todos cometemos erros de julgamento e de comportamento que nem nos apercebemos… não o problema é depois o “emprenhanço” pelos ouvidos que existe que te faz classificar uma qualquer atitude sem confrontar dois lados.
Nunca assumi nada por aquilo que me dizem… preciso de ouvir…ver e de preferência apalpar para ter uma opinião sobre algo, mas mais uma vez a dificuldade que temos de ver os outros como realmente são e não como gostaríamos nos deixa cegos a sinais e atitudes que tudo dizem desde de que corretamente interpretadas.
E escolhas na nossa vida são feitas todos os dias… abrir uma porta para alguém entrar têm e deve ser tão facilitada como escancara-la para que saiam quando não se sentem bem ou nos deixam incomodados… o que dói é o tempo que investes… os alertas que ignoraste… as falhas que perdoas-te porque achas que todos têm fases menos boas que merecem ser ignoradas mesmo quando no fundo de ti algo te grita e te diz que estás muitas das vezes a ir contra a tua própria essências quando o fazes.
Aceitar isso é meio caminho andando para passar da fase da mágoa profunda, para e simplesmente ignorar mais um comportamento errado… mas a verdade também é que quando o aceitamos tornamo-nos mais frios… mais secos… menos humanos. Porque queiramos ou não a beleza de o ser está nos erros e nas cabeçadas que damos e nessa magnifica capacidade de sacudir o pó e tornarmos a seguir em frente confiantes que da próxima vez será diferente…
Estou na fase intermédia… confiante q.b. e cínica por natureza (e não confundam cinismo com má conduta) fechei a porta às sanguessugas que habitam a minha volta e que me vêm como o porto de abrigo e não como parte integrante de algo maior que tudo… que tão carinhosamente chamamos de amizade… de amor… de sentimentos loucos de entrega total.
Vejamos quem sabe ser por si, capaz de o sentir sem impor… contínuo aqui… a única diferença é que quem me quiser terá de lutar por mim…seja qual for o sentimento existente.
Tenho a impressão que poucos serão os que têm capacidade para o fazer… mas nunca se sabe se não me surpreendem pela positiva… não seria a primeira vez!
Namasté

14 comentários:

Anónimo disse...

Amiga devo dizer-te que já passei por essa fase, como dizes tão bem " o que dói é o tempo que investes… os alertas que ignoraste… as falhas que perdoas-te porque achas que todos têm fases menos boas que merecem ser ignoradas mesmo quando no fundo de ti algo te grita e te diz que estás muitas das vezes a ir contra a tua própria essências quando o fazes."
Há uns 2 ou 3 anos fiz uma limpeza na minha vida das falsas amizades, do perdoar certas coisas, de passar por cima de outras, como tu sabes. Posso agora ver quem de facto é meu amigo e quem não é, quem deixou de aparecer e quem aparece. Estes últimos são os verdadeiros e tenho o privilégio de te contar entre esses poucos que continuam na minha vida, minha mana linda!
Gosto muito de tu!
bjsss grds,
OlgaM

Utena disse...

Olga,

Tivemos a sorte de nos cruzarmos na vida e de passarmos por coisas duras que nos mostrou o que de facto significamos na vida uma da outra.
Agradeço todos os dias o tempo na cripta por isso.

Beijos também adoro tu

Eros disse...

Que sejas brindada com entidades dignas de toda a doçura que tens para ofertar.

Beijo

Bianca disse...

Utena, diria para abreviares, ninguém quer no fundo perceber aquilo que tu já sabes. É cruel sim, mas é o real. E não lamentes, alegra-te da tua lucidez, dá tempo, o teu tempo ao que tem realmente é de valor, e esse chama-se vida, a tua vida, sim, porque só vives uma, assim se julga.

Beijo sabido a querer-se sábio.

NI disse...

Entendo o teu texto de uma forma particular porque tenho feito essa "travessia" nos últimos três anos.

Há quem confunda lucidez com cinismo. O que afirmas não é de uma pessoa cínica.

Beijo

O Sussurrar do Corpo disse...

voltarei...um sussurro

Utena disse...

Eros,

Sempre doce... sempre atento... tão cavalheiro!

Beijo

Utena disse...

Bianca,

A vida não é feita de abreviações mas de intensidade... de momentos... de entrega e de luta.
E eu alegro-me da vida e pela vida... mas mais?
Amo-me o suficiente para me fazer dar valor a mim mesma.

Beijo sabido

Utena disse...

Ni,

É daquelas que se fazem sozinhas... e que magoam como o cara...ças.

Beijo lúcido

Utena disse...

Sussurar,

Bem vinda.
Fico a espera do teu regresso...

Beijo sussurrado

AC disse...

Tenho uma máxima de vida, só faz falta quem está, e só me interesso por quem se interessa por mim, o tempo de abdicar de tudo, ou até de mim própria a favor de alguém para não ter retorno e me sentir um lixo, já foi tempo, agora não...

Não aceito cobranças, condições, obrigações, prepotência, exigência, sou como sou, e só fica quem quer..deixo a porta sempre aberta, e serve para entrarem ou se quiserem para saírem:)

Como te compreendo!

Beijo enorme

Utena disse...

AC,

Identifico-me contigo porque essa é mais umas das características que se nota na tua escrita.

Beijos

Catarina disse...

O dilema do ser mais humano versus mais frio é algo que me assola... Ser mais humana também implica deixar à superfície da pele as nossas emoções, e por muito que tentem convencer-me do contrário, torna-nos mais frágeis.
Tenho as emoções à superfície, as boas e as más. Queria muito honestamente ser mais fria, qb, encontrar um equilíbrio, certa vez um orientador de estágio disse-me (ele dava-me um nome engraçado) "sabes ... as pessoas mais sensíveis são as melhores pessoas, mas nunca te esqueças, são também as que sofrem mais, e quando acumulares todo esse sofrimento, em prol de não prejudicares os outros, vais libertá-lo, e aí será tipo explosão, atingirás tudo e todos A`tua volta, e depois ainda para mais vais sofrer com isso... Por isso, sê forte e aprende a equilibrar"!

Passei a deixar as minhas emoções à flor da pele para os mais próximos e para aqueles que atingiam níveis de confiança superiores, mas mesmo essas pessoas, conseguem arranjar maneira de nos magoar de forma gratuita e de modo evitável. Às vezes é inevitável magoarem-nos bem sei, mas quando é evitável... É cruel, sobretudo porque são pessoas a quem deixei livres as minhas emoções à flor da pele, as minhas sensibilidades maiores. Penso que com o tempo isso vai tornar-me mais seca e desconfiada, mas talvez sofra menos...

Desculpa o desafo, mas este teu texto puxou-o bem cá de dentro Ruivinha

Utena disse...

Catarina,

Aqui no meu cantinho estás a vontade até porque me dá orgulho ver que os meus textos puxam sentimentos!
Não precisas de te sentir mais fria ou mais seca o que acontece e aí falo por experiência é que aprendes a proteger-te e a abrir apenas a quem demonstra que o merece!

Beijo Pandinha