quarta-feira, 20 de abril de 2011

A facilidade da crítica

Sou uma adepta convicta das críticas construtivas, gosto de as dar e de as receber.
Não sou daquelas pessoas que amua perante uma situação onde me veja criticada por esta ou por aquela razão, não permito que se intrometam na minha vida isso é certo mas daí a ter problemas com alguém porque me apontou este ou aquele ponto de uma forma mais dura não faz parte do meu carácter nem da minha forma de ser.
No entanto não entendo nem aceito, sempre que isso acontece de uma forma que eu sinta que a critica está a ser feita apenas pelo simples prazer da humilhação pura ou da inveja crescente, nessas alturas tendo sempre a deixar saltar mau feitio que habita em mim e acabo sempre por dar de comer o veneno a pessoa que o lançou.
Para mim uma crítica deve ser construtiva, deve ter sempre cabeça tronco e membros… no ponto fulcral da questão deve ter pernas para andar. Sendo eu, uma crítica por natureza, sou e assumo aqui, tenho sempre um palpite para dar sobre algo que acho que valha a pena o trabalho, tenho sérias dificuldades em aceitar estas almas “iluminadas” que habitam neste planeta que criticam tudo o que mexe e que respira só porque que sim. E o ponto aqui é mesmo este! 99% das críticas são feitas só porque sim pelo simples prazer de ser do contra de destruir…
Sempre que alguém critica algo em relação a mim ou em relação a alguma situação, seja a crítica justa ou descabida eu tenho por norma fazer duas perguntas:
Ø  Estás a fazer essa critica com que bases?
Ø  Se achas que está mal e achas porque senão não criticavas, o que farias para mudar essa situação?
E em 99% dos casos não obtenho resposta ou então levo com o tão famosamente típico “Porque sim?” acompanhado pelo leve encolher de ombros… ou pelo péssimo tique do piscar de olho.
Confesso que não tenho paciência, não tenho ponto! Irrita-me solenemente o corte e costura de muita gente que por aí anda que o único consolo na vida medíocre que têm é criticar toda a gente e todas as situações.
E depois são críticas pelo simples prazer de “deitar a baixo” quem delas é alvo. Porque? A sério… porque? Que prazer pode haver em criticar se uma pessoa é alta e magra, baixa e gorda ou se ri alto? Ou se não fala ou se fala muito?
As críticas foram “inventadas” para se puder gerar uma discussão em redor de algum assunto e para que dê um resultado evolutivo do mesmo… pelo menos é assim que eu a vejo!
Vamos falar no meu caso:
Ø  Se eu critico a forma de vestir de certas pessoas é porque sei o que digo e tenho plena consciência que nas minhas mãos elas iriam evoluir e despertar os lados sensuais que escondem por detrás do “que é moda!”
Ø  Se critico comportamentos de certos indivíduos é porque sei que com vontade e trabalho comportamentos errados podem ser aperfeiçoados e melhorados de forma a trazer bem feitorias para quem com eles lida.
Tenho como é perfeitamente lógico noção que não somos todos iguais, não somos e não vai ser meia dúzia de defensores dos pobres e oprimidos, ou algum membro dos pobres de espírito e burros de mentalidade anónimos que me vai fazer mudar a minha opinião, porque isso não existe, mas a verdade é que evoluir todos conseguimos… uns mais que outros… alguns mais devagar… outros só até certo ponto… mas é algo fazível por toda a gente e a crítica tem uma suma importância nessa evolução e nessa mudança que deveria ser obrigatória para todos sem excepção desde de que seja construtiva e se possível acompanhada dos motivos que a originaram e se não for pedir muito com uma explicação sucinta do que achamos que poderia ser melhorado para essa evolução progredir e manter-se depois de alcançada.
Quando vejo alguém que se esforça a tentar conquistar algo ser criticado com base em assuntos que nem nada justificam o caso de uma forma bruta fria e egoísta… sim porque resumos á parte a critica não é mais que uma forma egoísta de ser de quem a faz …de evitar o sucesso do outro… algo que eu continuo também sem entender o porque do fracassado dos outros ser motivo de alegria para tantos… só me dá vontade de apontar cada uma das falhas de quem critica… mas daquela forma como só eu sei que é apontar falhas mas ao faze-lo realçar pelo seu ponto mais negativo… até reduzir a nada… a menos de nada se possível.
A sorte? A deles e muito provavelmente a minha? É que não há Karma que justifique o prazer que a humilhação dos idiotas me possa causar! Já lá estive… já passei por isso… já travei batalhas que muitos julgavam perdidas para remediar estragos de quem vive apenas pelo prazer de maltratar os outros… Hoje?
Apenas dou por mim a pensar na frase de Tertuliano

“Eles elogiam o que conhecem e criticam o que ignoram”

Ou melhor ainda na célebre frase de Harold Medina

"Criticar os outros é algo muito perigoso; nem tanto pelos erros que você pode cometer ao criticar, mas pelo fato de você poder estar revelando algumas verdades a seu respeito."

E as verdades que consigo ver de fora…. Ui nem eles nem ninguém consegue imaginar.

2 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Sou muitas vezes acusado de reagir mal às críticas. Também é verdade, mas apenas quando a crítica se fica pelo "isso está mal" ou "não pode ser assim". Querem que eu aceite a crítica? Fundamentem e apontem alternativas, caso contrário bazem da minha frente!

Beijocas!

Utena disse...

Rafeiro,
Acho que todos nos revoltamos contra as criticas porque é apenas pelo prazer de deitar a baixo.
Beijinhos